RN tem chuvas 17,9% abaixo da média histórica em julho

 

Fonte: G1

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) divulgou nesta sexta-feira (16) a análise das chuvas ocorridas ao longo do mês de julho. Segundo a Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn, no estado como um todo, eram esperados valores acumulados próximos de 78,2 milímetros, mas chuva observada foi de 60,3 mm.

A redução de chuvas no interior foi observada tanto no interior, quanto na faixa leste, e ficou 17,9% abaixo da média esperada para o mês de julho.

“Quando se analisa os índices pluviométricos observados em julho de 2019, observou-se que em praticamente todas as regiões do RN os desvios foram negativos ou próximo disso, isto é, choveu menos do que o normal. Os maiores desvios negativos ocorreram nas Mesorregiões Oeste e Leste, e no Estado como um todo o desvio ficou em -17,9 % abaixo do normal”, explicou o chefe da Unidade, o meteorologista Gilmar Bristot.

Na mesorregião Leste do RN, umas das regiões aonde climatologicamente tem ocorrência maior de chuvas neste mês, a chuva esperada foi de 176,8 mm, enquanto que a observada foi de 123,4mm, representando um desvio negativo de 30,2%.

Embora as regiões do Trairi e no Seridó tenham climatologicamente índices pluviométricos baixos neste mês, essas regiões registraram desvios percentuais positivos como Monte das Gameleiras (147,9mm), Santa Cruz (90,5mm), Cruzeta (40,5mm) e São José do Seridó (38,0mm). De acordo com a análise, o município de Canguaretama, da Mesorregião Leste, foi o que registrou maior volume de chuvas, com 267,7mm.

RN tem chuvas 17,9% abaixo da média histórica em julho — Foto: Anderson Barbosa/G1

RN tem chuvas 17,9% abaixo da média histórica em julho — Foto: Anderson Barbosa/G1

Minha Casa, Minha Vida tem R$ 470 milhões em repasses atrasados, dizem construtoras

 

Fonte: Folha de São Paulo

Nas contas do presidente da Cbic, José Carlos Martins, 200 mil trabalhadores podem ser afetados diretamente pelos atrasos

O programa habitacional Minha Casa, Minha Vida acumula R$ 470 milhões em repasses atrasados e deve faltar dinheiro para pagar as construtoras até o final do ano, afirmou, nesta quinta-feira (15), o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins.

Martins participou de uma audiência pública na Câmara sobre a utilização dos recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Segundo ele, o atraso diz respeito a imóveis da faixa 1, que atende famílias com renda de até R$ 1.800.

No segmento, 90% do valor do imóvel é financiado com recursos do OGU (Orçamento Geral da União). Ele reclama da liberação feita pelo Ministério de Desenvolvimento Regional, responsável por distribuir o dinheiro do programa de habitação. Dos R$ 240 milhões do orçamento do MDR em agosto, só R$ 90 milhões foram destinados ao MCMV, disse.

“Se tivesse sido distribuído recurso na mesma proporção do orçamento, teria um atraso mínimo, estaria todo mundo feliz. No entanto estão sendo pagos compromissos anteriores”, afirmou.

De acordo com Martins, o ministério está carregando dívida e pagando obras do PAC (programa de aceleração do crescimento) com dinheiro do Minha Casa, Minha Vida. Nas contas do presidente da Cbic, 200 mil trabalhadores podem ser afetados diretamente pelos atrasos. “As empresas não estão mais aguentando, elas não têm fôlego”, disse.

Ele avaliou que a situação vai piorar até o final do ano. No último trimestre do ano, o orçamento mensal disponível para o MDR é de R$ 90 milhões. Só o Minha Casa, Minha Vida exigiria R$ 350 milhões por mês, afirmou. “É uma conta que não fecha. E está lá o povo contratando, pagando imposto atrasado, emitindo nota. Nem dinheiro para dispensar tem agora.”

Na quarta-feira (14), o Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria em que reduziu a R$ 450 milhões no ano o subsídio do governo às faixas do programa que usam recursos do fundo.

Esse subsídio é aplicado às faixas 1,5 e 2 do MCMV, voltadas a famílias com renda de R$ 1.800 a R$ 4.000. Nesses segmentos, 90% do subsídio vem de recursos do FGTS e 10%, do OGU. Para o ano inteiro, o valor seria de R$ 900 milhões —o que caiu à metade agora.

“Isso significa que haverá menos contratação. Não existe aporte extra do FGTS”, disse Martins. “Não vai poder financiar a mesma quantidade de unidade que estavam previstos.”

Em nota, o MDR diz que cumpre rigorosamente a destinação de recursos à área de habitação popular.

Segundo o ministério, no primeiro semestre o volume de investimentos para o programa somou R$ 2,54 bilhões, sendo R$ 2,06 bilhões à faixa 1 —a previsão, respeitando a proporcionalidade orçamentária estabelecida pela lei, era de R$ 2,09 bilhões, segundo o comunicado.

Para as faixas 1,5 e 2, o ministério diz ter repassado R$ 395 milhões ao FGTS, superando a expectativa de subsídios, que era de R$ 336 milhões.

Em julho, o MDR diz ter pedido à equipe econômica mais recursos ao programa habitacional.

Sobre as mudanças nos subsídios estabelecidas pela portaria, o ministério diz que vão ampliar a disponibilidade de recursos para a faixa 1 e novas contratações das faixas 1,5 e 2 com o saldo remanescente do FGTS.

O programa tem sofrido atrasos frequentes ao longo do ano. Em abril, construtoras ameaçaram parar diante de um desembolso atrasado estimado em R$ 550 milhões à época. O governo liberou recursos para resolver o problema. Diante da possibilidade de derrota na Câmara dos Deputados de um projeto de crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões, em junho, também se comprometeu a liberar R$ 1 bilhão para o programa.

Os atrasos ocorrem em meio a discussões de uma reformulação doMCMV. Até agora, o governo não apresentou projeto que vai mudar as regras para o programa habitacional. Em junho, o ministro Gustavo Canuto (Desenvolvimento Regional) apresentou, em comissão na Câmara, uma proposta de limitar o acesso ao MCMV a famílias que tenham renda até sete salários mínimos (R$ 6.986 atualmente, sem considerar fator de localização).

Ele propôs ainda reformulações que incluem capacitação profissional dos atendidos e redução dos subsídios do governo federal no programa.

Se a mudança entrar em vigor, na prática as famílias que ganham mais de sete salários mínimos (R$ 6.986) e menos que R$ 9.000 deixam de ter acesso a taxas de juros menores que as praticadas em financiamentos com recursos da poupança, o chamado SBPE, e pelo mercado imobiliário.

O Ministério da Economia também discute mudanças no programa habitacional. O subsídio do governo estaria vinculado à doação de terrenos da União, por exemplo.


Caixa inicia pagamento do abono salarial para nascidos em agosto

 

Fonte: Exame

Tem direito ao benefício aquele que trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2018, recebendo salário médio no valor máximo de dois salários mínimos

São Paulo – A Caixa inicia nesta quinta-feira, dia 15, o pagamento do abono salarial do PIS/Pasep 2019/2020, para beneficiários nascidos em agosto no valor de até um salário mínimo (998 reais).

Têm direito ao benefício aqueles que trabalharam formalmente por pelo menos 30 dias em 2018, recebendo salário médio no valor máximo de dois salários mínimos (até 1.996 reais por mês). O trabalhador também precisa estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e os dados informados pelo empregador ao sistema precisam estar corretos.

O valor a ser recebido é proporcional ao tempo de serviço ao longo do ano, indo de 1/12 o valor da salário mínimo (84 reais) para quem completou um mês de serviços até o máximo de 998 reais para quem trabalhou o ano inteiro.

Os trabalhadores da inciativa privada, inscritos no PIS (Programa de Integração Social), recebem o abono por meio da Caixa, e o calendário é escalonado de acordo com o mês de nascimento: os primeiros são os nascido em julho, com crédito disponível a partir de 25 de julho. Correntistas ativos da Caixa recebem o crédito automático antecipado.

O saque pode ser feito em qualquer agência da Caixa com apresentação de documento oficial. Quem possui Cartão do Cidadão ativo, pode ainda retirar o dinheiro no caixa eletrônico da Caixa, em uma casa lotérica ou em um ponto de atendimento Caixa Aqui.

Já para os funcionários públicos, ligados ao Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), os pagamentos são feitos pelo Banco do Brasil, e o calendário de saques segue o número de inscrição no Pasep. Os primeiros a receber são aqueles com número de inscrição de final 0.

Os saques devem ser feitos nas agências do Banco do Brasil, com apresentação de documento oficial de identidade. Correntistas e poupadores do BB recebem o crédito em conta com até três dias úteis de antecedência em relação ao calendário oficial.

Delação de Palocci aponta ‘organização criminosa’ do PT e propinas de R$ 333 mi

 

Fonte: Uol

A delação do ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lulae Dilma) aponta uma sucessão de ilícitos e propinas, que chegam a R$ 333,59 milhões, supostamente arrecadadas e repassadas por empresas, bancos e indústrias a políticos e partidos nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Ele fala em “organização criminosa” do partido e aponta situações relativas a um período de pelo menos 12 anos (2002-2014).

São 23 relatos de Palocci, que passam por grandes obras de infraestrutura, contratos fictícios, doações por meio de caixa 2 a campanhas eleitorais, liberação de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de créditos do Banco do Brasil, criação de fundos de investimentos, fusões e elaboração de Medidas Provisórias para favorecer conglomerados.

Noruega bloqueia repasse de R$ 133 mi para preservação da Amazônia

 

Fonte: R7

A Noruega é a principal financiadora do Fundo Amazônia e, em julho, não aceitou a proposta do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de alterar programa

ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen, anunciou nesta quinta-feira (15) que o país europeu suspendeu o repasse de 300 milhões de coroas norueguesas, o equivalente a R$ 133 milhões, para ações contra o desmatamento no Brasil.

De acordo com o jornal norueguês Dagens Næringsliv, Elvestuen considera que o país não está cumprindo o acordo de preservação da Floresta Amazônica. A Noruega é a principal financiadora do Fundo Amazônia e, em julho, não aceitou a proposta do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de alterar a gestão do programa.

Em reação, o governo brasileiro criticou o país europeu. “A Noruega é o país que explora petróleo no Ártico, eles caçam baleia. E colocam no Brasil essa carga toda, distorcendo a questão ambiental”, declarou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ao comentar as negociações sobre o Fundo Amazônia.

A embaixada norueguesa reagiu. “A Noruega está comprometida a continuar com a gestão responsável, prudente e sustentável dos seus recursos petrolíferos. A indústria petrolífera norueguesa é líder global em padrões de saúde, segurança e proteção ambiental”, afirmou o órgão.

“As atividades petrolíferas norueguesas estão entre as mais limpas do mundo, devido à rigorosa regulamentação governamental e aos altos padrões tecnológicas da indústria norueguesa.”

Outro país que bloqueou verbas destinadas à preservação da Amazônia foi Alemanha, com o bloqueio de €35 milhões, cerca de R$ 155 milhões. Em entrevista publicada no sábado (10), pelo jornal Tagesspiegel, a ministra do Meio Ambiente, Svenja Schulze, afirmou que a política do governo brasileiro na Amazônia “levanta dúvidas se uma redução consistente das taxas de desmatamento ainda está sendo perseguida”.

Nesta quarta-feira (14), Bolsonaro rebateu o governo alemão e disse que a chanceler Angela Merkel deve “pegar a grana” bloqueada para preservação ambiental e reflorestar a Alemanha.

“Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu US$ 80 milhões para a Amazônia. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”, disse o presidente brasileiro, que mencionou uma quantia maior do que anunciada oficialmente pelo governo alemão.

Na sequência, Bolsonaro disse que não precisa do dinheiro alemão. Schulze respondeu que a reação do brasileiro mostra que a Alemanha está “fazendo exatamente a coisa certa”.

Câmara aprova projeto sobre abuso de autoridade

 

Fonte: Estadão

Proposta endurece punição e prevê inclusive prisão de agentes públicos, entre eles juízes e procuradores; texto já passou pelo Senado e vai à sanção presidencial

BRASÍLIA – Com respaldo das principais lideranças da Câmara, deputados aprovaram nesta quarta-feira, 14, em votação simbólica, projeto que criminaliza o abuso de autoridade. A proposta prevê punição a agentes públicos, incluindo juízes e procuradores, em uma série de situações e é considerada uma reação da classe política às operações recentes contra corrupção, como a Lava JatoComo já havia passado pelo Senado, o texto agora vai à sanção e caberá ao presidente Jair Bolsonaro decidir se transformará em lei.

O projeto endurece a pena ou pune algumas práticas que têm sido utilizadas em investigações no País. Pune, por exemplo, o juiz que decretar a condução coercitivasem prévia intimação de comparecimento ao investigado ou a uma testemunha. Prevê, ainda, detenção para quem fotografar ou filmar preso, investigado ou vítima sem seu consentimento com o intuito de constranger a pessoa. As penas vão de prisão de três meses a quatro anos, dependendo do delito, além de perda do cargo.

A proposta teve apoio da maioria dos partidos na Câmara. Apenas PSLCidadaniaNovo e PV orientaram suas bancadas a se opor à medida. Houve protestos de parlamentares pelo fato de o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não ter adotado uma votação nominal – quando é possível identificar o voto de cada deputado.

A aprovação da medida foi criticada por membros da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e por alguns parlamentares chamados de “lavajatistas”, que classificaram a proposta como uma reação à divulgação de mensagens atribuídas ao então juiz da operação e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e a procuradores, pelo site The Intercept Brasil. Por outro lado, defensores do projeto argumentam que as conversas vazadas, que sugerem uma atuação conjunta de juiz e investigadores, reforçaram a necessidade de se endurecer a lei de abuso no País.

“No fim da Mãos Limpas, na Itália, a pauta contra supostos abusos da Justiça substituiu a pauta anticorrupção sem que esta fosse aprovada. Várias leis passaram para garantir impunidade a poderosos. A Itália segue com maiores índices de corrupção da União Europeia”, disse o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dellagnol, pelo Twitter.

A revisão da lei de abuso de autoridade havia sido aprovada há dois anos pelo Senado, mas estava parada desde então. No fim de junho, após a divulgação das conversas pelo The Intercept Brasil, senadores chegaram a desengavetar uma outra proposta sobre o tema e, num intervalo de sete horas, aprovaram na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e no plenário a toque de caixa.

O texto aprovado nesta quarta pela Câmara, porém, foi o que havia sido relatado pelo ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), em 2017, e é mais abrangente, prevendo punições também a policiais, membros de tribunais ou conselhos de contas, servidores públicos e militares ou pessoas a eles equiparadas. 

Após a votação, Maia destacou que o projeto aprovado na Câmara é mais amplo do que o analisado em junho pelo Senado e não atinge só juízes e procuradores. “O texto é justo. Todos os Poderes respondem a partir da lei”, disse o deputado. “A crítica anterior era que tratava apenas do Judiciário e do Ministério Público.”

Críticas ao projeto de abuso de autoridade  

Em nota divulgada nesta quarta, o presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), Victor Hugo Azevedo, apontou riscos à atuação de procuradores. “Por exemplo, há a previsão de crimes que tratam de condutas que são meras irregularidades administrativas, figuras criminosas imprecisas e permeadas de subjetividade, além de penas desproporcionais”, disse, em nota.

O deputado Ricardo Barros (PP-PR), relator do projeto, rebateu as críticas de que a proposta pode representar ameaça. “Quem, em geral, vai denunciar é o Ministério Público e quem vai julgar é o juiz, por isso não cabe dizer que está havendo uma perseguição a esses agentes públicos”, afirmou.

O PSL, partido de Bolsonaro, tentou adiar a votação. A deputada Bia Kicis (PSL-DF) disse que a lei é necessária, mas que o projeto traz exageros, como a previsão de perda do cargo como punição. Outro ponto criticado por integrantes do partido é o que trata sobre o uso de algemas. O texto considera abuso o uso do item quando não houver resistência à prisão. “Esse texto como está aqui vai acabar com várias investigações e vai deixar os policiais em diversas saias-justas”, afirmou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP). 

Integrantes da bancada da bala disseram que vão pedir a Bolsonaro que vete este trecho. “Estamos criminalizando a atividade policial”, afirmou o deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG). / COLABOROU MARIANA HAUBERT

Governo determina estudo para privatização de BRs 101 e 304 no RN

 

Fonte: Tribuna do Norte

O Governo Federal publicou, nesta quinta-feira (15), um decreto que visa, entre outras coisas, a realização de estudos sobre a viabilidade de privatizações de rodovias que cruzam o Rio Grande do Norte. Pelo decreto, dois trechos no estado podem ser afetados e, no futuro, haver cobrança de pedágio para a utilização das rodovias. 

O decreto 9.972/2019, assinado em 14 de agosto, dispõe sobre a qualificação de empreendimentos dos setores portuário, aeroportuário, rodoviário, ferroviário e hidroviário no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República e sua inclusão no Programa Nacional de Desestatização. No documento, diversas rodovias, aeroportos, portos e ferrovias são apontadas como alvos para os estudos.

Para o Rio Grande do Norte, o estudo para a PPI na BR-101, em trecho que liga Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, partindo desde a divisa da Bahia com o Espírito Santo e chegando ao entroncamento com a BR-304, já entre Natal e Parnamirim. Com isso, há a possibilidade de que o trecho na BR-101 que liga a Natal a municípios do Rio Grande do Norte, como São José de Mipibu, Goianinha e Canguaretama, seja privatizado.

Além desse trecho, o decreto também determina a realização de estudo para analisar a viabilidade de PPI na BR-304, entre o Ceará e Natal. No decreto, é previsto o estudo sobre o trecho da BR-116/CE de Fortaleza (CE) ao entroncamento com a BR-304, e trecho da BR-304, do entroncamento com a BR-116 à divisa entre Ceará e Rio Grande do Norte. De lá, também é previsto o estudo sobre possibilidade de PPI até Natal.

Ao contrário da BR-101, a BR-304 não é duplicada, apesar de haver um trabalho em curso para a duplicação do trecho conhecido como Reta Tabajara, realizada com recursos públicos. A BR-304 é a principal ligação entre Natal e Mossoró, as duas maiores cidades do Rio Grande do Norte.

Ao todo, o Governo Federal qualificou 15 lotes de rodovias federais estratégicas no âmbito do PPI, divididos em treze estados, para a realização dos estudos sobre viabilidade. O decreto diz ainda que os estudos dos empreendimentos podem indicar necessidade de ajustes posteriores dos trechos indicados decorrentes da modelagem econômico-financeira e eventual inclusão de trechos estaduais, que possam ser federalizados e passem a compor os lotes.

Veja o decreto aqui.

Lista tríplice para vaga de desembargador do TRT-RN é definida

 

Fonte: Tribuna do Norte

Os advogados Marisa Almeida, Augusto Maranhão e Marcelo Barros foram escolhidos para concorrer a vaga de desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) pelo quinto constitucional dos advogados. A sessão solene para a escolha aconteceu na tarde desta quinta-feira (15) e foi presidida pelo desembargador Bento Herculano Duarte Neto. 

O advogado Marcelo Barros, mais votado da lista sêxtupla, foi eleito como o primeiro nome da nova lista. A advogada Marisa Almeida foi escolhida para a segunda vaga da lista e o advogado Augusto Maranhão será o terceiro nome. 

“Inicialmente, eram 23 candidatos e todos os seis que chegaram aqui ao tribunal estão de parabéns, porque são advogados reconhecidos por seus pares, por seus méritos e suas qualidades”, destacou o presidente do TRT-RN, Bento Herculano Duarte Neto.

A lista tríplice seguirá para o Tribunal Superior do Trabalho e, depois, para ao Ministério da Justiça que encaminhará os nomes para a escola do presidente da República, Jair Bolsonaro.

A vaga de desembargador do TRT-RN indicado pelo quinto constitucional dos advogados está aberta desde a morte do desembargador José Rêgo Júnior, ocorrida em janeiro deste ano.

Além dos advogados escolhidos para a lista tríplice, também foram apreciados os nomes dos advogados Eduardo Rocha, Lúcia Jales e Eduardo Gurgel.

Motoristas de aplicativos e taxistas protestam por segurança nos acessos ao aeroporto

 

Fonte: Tribuna do Norte

Motoristas de aplicativo e taxistas se concentram na tarde desta quinta-feira (15) próximo a rotatória que une os acessos Norte e Sul à avenida Dino Maia, que garante o tráfego ao Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves. Policiais do 11º Batalhão estão fazendo a segurança dos cerca de 80 manifestantes e entraram em acordo com os manifestantes para que o tráfego na região não fosse prejudicado.

De acordo com Anízio Barbosa, presidente da Cooperativa de Transporte por Aplicativos do Rio Grande Norte, o protesto é pela segurança não só do condutor, mas da população como um todo. A principal reclamação dos motoristas é a falta de iluminação do Acesso Sul, que, segundo ele, foi condicionado a um processo licitatório. “Precisamos que o poder público olhe pra esse região, pro bem do Rio Grande do Norte. É uma via que liga ao Aeroporto, área que circula renda e não é iluminado da maneira correta”, garante Teixeira.
Com auxílio de um carro de som, a organização agradeceu o apoio da Polícia Militar e convidando outros motoristas para fazer parte do movimento. O tráfego na região não foi prejudicado, com os veículos ocupando apenas uma faixa de cada sentido da via.
Romário Monteiro, 25 anos, é motorista de aplicativo há dois anos em duas plataformas diferentes e revela ter passado por problemas com insegurança em três ocasiões, nenhuma delas no acesso do Aeroporto. No entanto, afirma que conhece vários condutores que não tiveram a mesma sorte e desabafa que mesmo desempenhando a atividade há tanto tempo, sente-se, sim, inseguro.

“A gente convive com o medo direto. Temos que traçar algumas estratégias para nós precaver, como pegar alguns passageiros com uma melhor avaliação no aplicativo, com uma quantidade considerável de corridas. São alternativas, mas que não garantem 100% de segurança”, confessa.

Flamengo encerra negociações com Balotelli e não fecham acordo

 

Fonte: Globo Esporte

O Flamengo publicou em seu site oficial que encerrou as negociações com Balotelli. Depois de dois dias de negociações em Mônaco, representantes do clube, do jogador e o próprio atacante não chegaram a um acordo para a vinda do italiano ao Brasil.

Confira a curta postagem que o Rubro-Negro colocou no ar.

Nota oficial do Flamengo comunicando o fim das negociações entre clube e atleta — Foto: Reprodução

Nota oficial do Flamengo comunicando o fim das negociações entre clube e atleta — Foto: Reprodução

“O Clube de Regatas do Flamengo, o atleta Mario Balotelli e seus representantes decidem, de comum acordo e após dois dias de cordiais reuniões em Mônaco, encerrar nesta data (15/8) as negociações envolvendo a possível contratação do atleta.”

Último time de Balotelli foi o Olympique de Marselha, da França — Foto: Reprodução / Facebook

Último time de Balotelli foi o Olympique de Marselha, da França — Foto: Reprodução / Facebook

Representante de Balotelli na negociação, o agente Mino Raiola também postou uma imagem da nota oficial publicada pelo Flamengo em sua conta oficial no Twitter. Ele fez a postagem cerca de 40 minutos depois da primeira publicação do clube na mesma rede social.

Na última quarta-feira, Marcos Braz (vice de futebol) e Bruno Spindel (diretor da pasta) se encontraram com Mino Raiola, agente de Balotelli, em Mônaco. No jantar que durou cerca de cinco horas, os dirigentes do Flamengo apresentaram os planos do clube para o atacante.

Cahê Mota@cahemota · 1hReplying to @cahemota

Reunião ainda não acabou em Mônaco, mas decisão sobre Balotelli já foi definida. Clube foi bem ao se adiantar e se posicionar, encerrando a novela. Conversas com Raiola agora continuam para aproximação, network, possibilidades futuras #gefla

Cahê Mota@cahemota

Marcos Braz e Bruno Spindel acionaram o departamento de comunicação do Flamengo sem maiores detalhes. Apenas disseram que o clube estava fora da disputa e pediram que o posicionamento rápido para colocar um ponto final na novela.

Janta em Mônaco segue com amenidades #gefla8392:49 PM – Aug 15, 2019Twitter Ads info and privacy126 people are talking about this

A oferta do Flamengo foi de cerca de 3 milhões de euros livres de impostos por temporada, além de luvas para assinatura de um contrato até o fim de 2021. O valor de salário é o mesmo que o clube executa pela Inter no acordo por Gabigol, o que é considerado de alto nível mesmo no cenário europeu.