Sudeste da Austrália é atingido por tempestades de poeira

 

Nuvens gigantes de poeira e massas de granizo do tamanho de bolas de golfe foram vistas entre domingo (19) e esta segunda-feira (20) em Sydney e Canberra, no sudeste da Austrália.

Não foi a primeira aparição das nuvens de poeira, que surgiram nos últimos dias em vários locais do estado de Nova Gales do Sul, onde fica Sydney. Vídeos postados na internet mostram as nuvens de terra avançando sobre ruas, casas e carros das cidades.

Nuvem de poeira avança sobre uma rua em Dubbo, na Nova Gales do Sul, a 400km de Sydney, no domingo (19). — Foto: Ian Harris/AP
Nuvem de poeira avança sobre uma rua em Dubbo, na Nova Gales do Sul, a 400km de Sydney, no domingo (19). — Foto: Ian Harris/AP

Nuvem de poeira avança sobre uma rua em Dubbo, na Nova Gales do Sul, a 400km de Sydney, no domingo (19). — Foto: Ian Harris/AP

Moradores das cidades de Dubbo e Parkes descreveram o céu ficando laranja à medida que a tempestade se aproximava, e publicaram vídeos mostrando o céu completamente preto apenas alguns minutos depois, quando a tempestade desceu sobre as cidades, informou a rede de televisão americana CNN.

As tempestades de poeira provavelmente foram provocadas por ventos fortes na área – rajadas de vento de até 107km/h em Dubbo e 95km/h em Parkes, de acordo com o Departamento de Meteorologia da Austrália. O estado sofre com uma seca há vários anos, o que significa que a terra está seca e o solo, solto – facilitando a poeira de ser levantada.

A chuva amenizou a situação na noite de domingo (19), lavando a poeira em Dubbo e Parkes. A chuva também foi um alívio para os bombeiros de Nova Gales do Sul, que estão combatendo os piores incêndios que o país já viu em décadas.

Na sexta-feira (17), a chuva havia caído, em 24 horas, na maioria dos focos de incêndio do estado, disse o Corpo de Bombeiros Rural.

Mas as chuvas não foram suficientes para apagar as chamas e provavelmente não serão suficientes para acabar com a seca, segundo apuração da rede de televisão americana CNN.

A tempestade de poeira de domingo (19) foi a segunda no centro de Nova Gales do Sul em uma semana; outra tempestade gigante atingiu a cidade de Forbes, ao sul de Dubbo, na última quinta (16), informou o Nine News.

Tempestade de granizo

A capital do país, Canberra, no Território da Capital Australiana, foi atingida por uma tempestade de granizo. Alguns pedaços tinham o tamanho de bolas de golfe, segundo a rede de televisão americana CNN.

O granizo parou após cerca de 15 minutos, mas as pedras, com cerca de 5 cm de largura, foram suficientes para quebrar janelas e ferir dezenas de pássaros, disse Tom Swann, pesquisador do Instituto Australiano de Canberra. Ele encontrou uma cacatua machucada e a levou ao veterinário. Havia um “fluxo constante de pássaros feridos entrando”, relatou à CNN.

A tempestade de granizo segue para o leste, em direção às cidades costeiras de Sydney, Wollongong e Newcastle, de acordo com o Departamento de Meteorologia. A agência alertou que as cidades podiam ter “ventos prejudiciais (possivelmente destrutivos), grandes pedras de granizo (possivelmente gigantes) e fortes chuvas”.

Os incêndios florestais e as tempestades de poeira foram exacerbados pelo calor e pela seca extrema – que, segundo especialistas, são sintomas da crise climática da Austrália.

A vegetação da Austrália está secando desde janeiro de 2017 – a pior seca já registrada. O estado de Nova Gales do Sul recebeu menos de 25 mm de chuva por ano nos últimos três anos, o que nunca aconteceu antes.

A seca piorou os fenômenos naturais, como a tempestade de poeira de domingo – e também devastou os meios de subsistência das pessoas: criadores de gado e ovelhas viram suas terras rachadas e ressecadas nos últimos anos, e muitos estão lutando para manter seus animais vivos.

Milhares de pessoas já foram às ruas no país para cobrar medidas mais duras para lidar com o problema.

Fonte: G1

Estão abertas inscrições para concurso da Marinha com 900 vagas

 

A Marinha do Brasil abriu 900 vagas de ensino médio no Concurso Público de Admissão às Escolas de Aprendizes-Marinheiros (CPAEAM), com possibilidade de promoção até a graduação de Suboficial ao longo da carreira. As inscrições começaram nesta segunda-feira (20) e serão aceitas até o dia 3 de fevereiro, no site www.ingressonamarinha.mar.mil.br ou em uma das Organizações Militares da Marinha Responsáveis pela Execução Local (OREL), nos dias úteis, das 8h30 às 16h. A taxa é de R$ 25 e deverá ser paga até 10 de fevereiro.

Na área de jurisdição do Comando do 3º Distrito Naval (Com3ºDN), que abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, as OREL funcionarão em NatalRN, no Com3ºDN; em Olinda-PE, na Escola de Aprendizes-Marinheiros de Pernambuco; em Fortaleza-CE, na Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará; em Maceió-AL, na Capitania dos Portos de Alagoas; e em João Pessoa-PB, na Capitania dos Portos da Paraíba. Para participar, é preciso ser do sexo masculino, ser brasileiro nato ou naturalizado, ter 18 anos completos e menos de 22 no dia 1° de janeiro do ano de 2021, entre outros requisitos.

No ato da inscrição, deverá haver a indicação da ordem de preferência da área profissional da especialização: Eletroeletrônica, Apoio e Mecânica, sendo que cada uma delas oferece diversas opções. O atendimento à escolha do candidato será feito de acordo com o interesse da Administração Naval e critérios de classificação no concurso. O candidato realizará uma Prova Objetiva composta por 50 questões, divididas em Português (15), Matemática (15), Ciências – Física e Química (15) e Inglês (5), prevista para ocorrer na primeira quinzena de abril.
Os aprovados até o limite de duas vezes o número de vagas, inclusive os empatados na última posição, serão convocados para realizar os Eventos Complementares, todos eliminatórios. São eles: Verificação de Dados Biográficos (VDB), Inspeção de Saúde (IS), Teste de Aptidão Física (TAF), Avaliação Psicológica (AP), Verificação de Documentos (VD) e o Procedimento de Heteroidentificação Complementar à Autodeclaração (PH). Se aprovado em todas as etapas, o candidato será chamado para o Período de Adaptação em uma das Escolas de Aprendizes-Marinheiros, etapa também eliminatória. Após isso, é iniciado o Curso de Formação de Marinheiros para a Ativa sob regime de internato, inteiramente gratuito e realizado durante 48 semanas, no qual serão ministradas disciplinas do Ensino Básico e do Ensino Militar-Naval.

O curso é estruturado em duas fases: a primeira, no grau hierárquico de AprendizMarinheiro, destinada à formação militar-naval, e a segunda, no grau hierárquico de Grumete, destinada à especialização técnica. O Aprendiz-Marinheiro receberá bolsa-auxílio de R$ 1.108,53, sendo R$ 981 de soldo militar e R$ 127,53 de adicional militar e enquanto Grumete perceberá um valor total bruto de R$ 1.179,72, sendo R$ 1.044 de soldo e R$ 135,72 de adicional militar. Após o curso de formação, os rendimentos chegam a R$1.950, sendo R$ 1.560 o soldo militar, R$ 202,80 de adicional militar e R$ 187,20 de adicional habilitação.

Fonte: Tribuna do Norte

Brasil bloqueia fronteira com Paraguai no Mato Grosso do Sul após fuga de 76 presos

 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública determinou, neste domingo (19), o bloqueio da fronteira entre Brasil e Paraguai no trecho que corresponde ao Mato Grosso do Sul. Mais cedo, a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça chegou a informar que a fronteira havia sido fechada, mas depois corrigiu a informação.

O bloqueio é motivado pela fuga de 76 integrantes de uma facção brasileira que estavam na Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na madrugada de domingo. A cidade fica na fronteira com Ponta Porã (MS). Segundo o governo paraguaio, há cidadãos dos dois países entre os fugitivos.

A ação determinada pelo ministro Sergio Moro é um reforço de policiamento com helicópteros e barreiras. “Isso é chamado pela polícia de bloqueio, mas a fronteira não está fechada no MS. Brasileiros e paraguaios continuam podendo ir e vir”, informou a assessoria.

De acordo com o ministério, ainda não é possível dizer se a fronteira também será bloqueada no Paraná. Isso só acontecerá se houver um pedido do governador do estado, Ratinho Junior (PSD) – a exemplo do que fez o governo do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB).

Até as 19h, nenhum dos países havia divulgado informações sobre a recaptura dos fugitivos.

O governo brasileiro também pediu ao Paraguai a lista com os nomes dos 76 integrantes do grupo. Segundo a Secretaria de Operações Integradas do ministério, equipes da Operação Hórus, que combate o contrabando em regiões de fronteira, foram alertadas.

Antes de decidir pelo bloqueio da fronteira, Moro já tinha afirmado que o governo federal estava trabalhando junto com os estados para impedir a entrada dos detentos no Brasil.

A ministra da Justiça do Paraguai, Cecilia Perez, informou pela manhã que 91 presos conseguiram escapar da prisão por volta das 4h (3h, em Ponta Porã) e disse que eles são integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Mais tarde, a procuradora Reinalda Palacios declarou que o número de fugitivos foi atualizado para 75, de acordo com o jornal “ABC Color”. O número passou para 76 no fim da tarde.

Uma lista de foragidos brasileiros e paraguaios foi divulgada pelo Ministério da Justiça. Entre eles, estão o brasileiro Timóteo Ferreira, apontado como líder da facção dentro do presídio, e seis supostos integrantes do grupo de matadores de aluguel ligados ao tráfico “Minotauro”. Eles atuam na fronteira e na semana passada buscavam deixar a prisão com uma ordem judicial.

O Ministério Público informou que vídeos das câmeras de segurança do presídio mostram uma movimentação intensa desde as 4h deste domingo. Para a promotoria, é impressionante que os guardas não tenham agido diante das imagens que tinham à disposição.

Cinquenta dos detidos estavam em um piso superior e 25 no inferior, onde o túnel foi cavado. Para ter acesso ao piso inferior, os detentos precisam passar por um portão, que deve permanecer trancado.

O que chamou a atenção dos promotores foi que esse portão estava trancado no momento em que Ministério Público foi visitar o local após a fuga.

As autoridades paraguaias investigam se houve uma rede de corrupção que facilitou a fuga. A ordem de captura dos foragidos deve ser emitida em algumas horas. Até a última atualização dessa matéria, nenhum deles havia sido recapturado.

Segurança do lado brasileiro

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) de Mato Grosso do Sul informou que está em contato com as autoridades paraguaias. O policiamento em Ponta Porã e Dourados, maior cidade da região e possível destino de fugitivos, foi reforçado com equipes da Polícia Militar e da Polícia Civil.

Fonte: G1

Bandidos matam idoso por se assustar durante assalto em Mossoró

 

Um idoso foi assassinado a tiros após se assustar durante um assalto, na noite deste domingo, 19, em Mossoró, no Oeste potiguar. A vítima, identificada como Francisco de Assis Oliveira, de 70 anos, foi morta na calçada da sua residência.

O crime aconteceu no bairro Lagoa do Mato. Francisco estava com sua família, na frente de casa, quando um homem e uma mulher os abordaram. Os criminosos estavam recolhendo os pertences das vítimas e o idoso ficou nervoso com a ação dos assaltantes e esboçou uma reação de medo.

Ao notarem a atitude de Francisco, os bandidos dispararam contra ele, que morreu no local.

A polícia agora tenta chegar aos responsáveis pelo crime através de câmeras de segurança instaladas pela região.

Fonte: Agora RN

Estudantes podem se inscrever no Sisu a partir desta terça-feira

 

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) abre amanhã (21) o calendário dos processos seletivos federais que usam o Enem como critério de seleção. Neste semestre, o Sisu vai ofertar 237 mil vagas em 128 instituições de ensino superior públicas. O prazo para se inscrever vai até sexta-feira (24).

Para participar do Sisu, é preciso ter feito o Enem 2019 e ter tirado nota acima de zero na prova de redação. Na hora da inscrição no processo seletivo é preciso informar o número de inscrição do Enem e a senha atual cadastrada na Página do Participante.
A nota do Enem está disponível desde sexta-feira (17) tanto no aplicativo, quanto na própria Página do Participante. É preciso informar o CPF e a senha cadastrada na hora da inscrição. Caso o candidato tenha esquecido a senha, pelo próprio sistema é possível recuperá-la.
É essa senha que deve ser usada na hora da inscrição no Sisu. O número de inscrição, que é solicitado também para participar da seleção, está disponível para cada estudante na Página do Participante.Cálculo da nota
Na hora da inscrição, é possível escolher até duas opções de curso, de acordo com a ordem de preferência. 
Alguns cursos, no entanto, têm certas restrições. O Sisu dá liberdade para as instituições de ensino definirem como usarão o Enem. Assim, determinado curso pode exigir, por exemplo, uma média mínima no Enem – que é a soma de todas as notas obtidas nas provas do exame, dividida por cinco – ou mesmo uma nota mínima em determinada prova. Isso faz com que, dependendo da nota obtida, estudantes não sejam classificados para determinados cursos. 
É possível também conferir pesos diferenciados para as provas. A nota em ciências da natureza ou em matemática pode valer mais para um curso de física ou química, por exemplo. Dessa forma, a nota do estudante pode variar dependendo do curso para o qual ele está concorrendo.Nota de corte
Uma vez por dia, o Ministério da Educação (MEC) divulga na página do Sisu as notas de corte, que são as menores para os candidatos ficarem entre os selecionados na modalidade escolhida. A nota de corte é calculada com base no número de vagas e no total de candidatos inscritos.
A nota de corte é apenas uma referência para auxiliar o candidato no monitoramento de sua inscrição. Ela não garante que o estudante seja selecionado. 
É possível alterar as opções de curso feitas até o final do período de inscrição. O Sisu considera válida a última opção registrada pelos estudantes.
Reservas de vagas
Todas as universidades federais, institutos federais de educação, ciência e tecnologia e centros federais de educação tecnológica participantes do Sisu oferecem vagas reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas. Há instituições participantes do Sisu que disponibilizam ainda uma parte de suas vagas para políticas afirmativas próprias.
No momento da inscrição, o participante deve optar por uma dessas modalidades, de acordo com o seu perfil. Os estudantes concorrem apenas com os demais candidatos que fazem a mesma opção, seja pela ampla concorrência ou por alguma política afirmativa. O sistema selecionará, entre eles, os que obtiveram as melhores notas no Enem de 2019.
Cronograma
As inscrições para o Sisu podem ser feitas de 21 a 24 de janeiro. No dia 28 de janeiro será divulgado o resultado da seleção. Os estudantes que forem aprovados deverão fazer a matrícula nas instituições de ensino entre 29 de janeiro e 4 de fevereiro. 
Aqueles que não forem selecionados poderão ainda participar da lista de espera. O prazo para se candidatar é de 29 de janeiro a 4 de fevereiro. Os candidatos em lista de espera serão convocados pelas próprias instituições de ensino, entre 7 de fevereiro e 30 de abril.
Próximos processos seletivos
Além de participar do Sisu, os estudantes podem usar as notas do Enem para concorrer a bolsas de estudo pelo Programa Universidade para Todos (ProUni). As inscrições poderão ser feitas de 28 a 31 de janeiro. Podem também se inscrever no Programa de Financiamento Estudantil (Fies), de 5 a 12 de fevereiro.
Os estudantes podem ainda usar as notas para cursar o ensino superior em Portugal. O Inep tem convênio com mais de 40 instituições portuguesas.
Instituições de ensino públicas e privadas utilizam o Enem como forma de seleção independente dos programas de âmbito nacional. Os estudantes podem, portanto, consultar diretamente as instituições nas quais têm interesse em estudar.

Fonte: Tribuna do Norte

Total de casos de infecção por coronavírus na China passa de 200

 

Uma nova variante de coronavírus, ligada a um surto de pneumonia, está se disseminando na China. Passa de 200 o número de casos registrados.

Foram confirmados 136 novos casos de infecção, informaram nesta segunda-feira autoridades sanitárias da cidade de Wuhan, na província de Hubei, situada na região central do país. O total de novos casos chega a 198. Mais um paciente morreu, aumentando para três o total de mortos. Nove pessoas estão em situação crítica e 35 em estado grave.

Também nesta segunda-feira, autoridades da área de saúde confirmaram que duas pessoas em Pequim e uma em Shenzhen, cidade da província de Guangdong, no Sul, contraíram o vírus. São os primeiros casos da infecção fora da cidade de Wuhan. Vários casos suspeitos da doença também estão sendo observados na província de Zhejiang, na Região Leste do país.

A Comissão de Saúde Nacional da China diz que ainda é possível prevenir e controlar a transmissão do vírus. Peritos do órgão, porém, afirmam ainda não ter compreendido inteiramente a rota da infecção. Acrescentam que vão monitorar atentamente para verificar se o vírus sofrerá alguma mutação.

A comissão vai intensificar o monitoramento, com a aproximação do início, na sexta-feira, do feriado prolongado do Ano-Novo Lunar, em que grande número de chineses costuma viajar.

Coreia do Sul

Autoridades de saúde da Coreia do Sul informaram que foi confirmado o primeiro caso no país do novo tipo de coronavírus, que pode ser o responsável por um surto de pneumonia na China.

Segundo informação divulgada hoje, a paciente é uma mulher chinesa, de aproximadamente 30 anos que vive em Wuhan, cidade da região central da China, foco do surto.

Ela teria entrado na Coreia do Sul nesse domingo (19), desembarcando no aeroporto de Incheon, nas proximidades de Seul. Ainda segundo as autoridades, a mulher apresentava febre e calafrios desde sábado, mas teria recebido um diagnóstico de resfriado comum durante consulta em um hospital em Wuhan.

Após a chegada ao aeroporto de Incheon, ela passou por exame médico em um hospital nas proximidades do aeroporto, com resultado positivo para o vírus.

As autoridades garantem que vão implementar medidas para conter a disseminação da infecção durante o feriado prolongado do Ano-Novo Lunar, que começa nesta semana. A Coreia do Sul pede que as pessoas que forem a Wuhan evitem contato com animais selvagens.

Fonte: Agência Brasil

Estado ainda analisa impacto do novo piso nacional do magistério

 

A Secretaria Estadual de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Seec) espera a publicação oficial do reajuste do piso nacional dos professores, passando de R$ 2.557,74 para R$ 2.886,24, – anunciado na última semana pelo presidente Jair Bolsonaro –, para avaliar o impacto da medida sobre a folha dos servidores da pasta.

Segundo a pasta estadual, também não há prazo para a incorporação do valor nos salários dos servidores da educação. Em 2019, o reajuste dos salários dos servidores só aconteceu em abril. À época, a governadora Fátima Bezerra aumentou os salários em 4,17%, fazendo com que os vencimentos de um professor passassem de R$ 2.578,72 para R$ 2.686,25.

De acordo com a Secretaria de Educação, após a publicação do índice de reajuste de 12,8% (o que não aconteceu por parte do Ministério da Educação até o fechamento da reportagem), o estudo de impacto financeiro será feito junto com as secretarias de Administração e Planejamento e Finanças.

O coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Rio Grande do Norte (Sinte), José Teixeira, espera que o governo envie o projeto de lei com o aumento dos salários já na volta do recesso da Assembleia Legislativa, em 4 de fevereiro. “Nós estamos esperando que o reajuste seja incorporado já nos salários de março”, disse.

De acordo com o Ministério da Educação, o acréscimo está previsto na chamada Lei do Piso (Lei 11.738), de 2008. O piso salarial dos professores do magistério é atualizado, anualmente, no mês de janeiro. A regra está em vigor desde 2009, ano em que o valor de R$ 950 foi o ponto de partida para o reajuste anual.

O MEC utiliza o crescimento do  valor anual mínimo por aluno como base para o reajuste salarial. Dessa forma, é utilizada a variação observada nos dois exercícios imediatamente anteriores à data em que a atualização deve ocorrer. O valor mínimo por aluno é estipulado com base mo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Para 2019, o valor chegou a R$ 3.440,29, contra R$ 3.048,73 em 2018.

Segundo dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o reajuste causará impacto de aproximadamente R$ 8,7 bilhões aos cofres municipais de todo País. Somente no Rio Grande do Norte, o novo piso representará um impacto de R$ 151,538 milhões. O gasto das prefeituras deve passar de R$ 1,180 bilhão para R$ 1,331 bilhão.

Em nota enviada aos prefeitos de todo o Brasil, a Confederação reforça que o piso nacional é o valor abaixo do qual não pode ser fixado o vencimento inicial da carreira inferior, a ser pago aos professores com formação em nível médio na modalidade normal.

No entanto, a CNM explica que, se o Município pagou, em 2019, a mais do que o valor do piso estabelecido para este ano, não está obrigado a conceder reajuste em igual percentual ao do piso salarial do magistério.

Fonte: Agora RN

Governo Fátima propõe taxar inativos que ganham acima de um salário mínimo

 

A proposta de reforma da Previdência que o Governo do Estado pretende encaminhar para a Assembleia Legislativa em fevereiro estabelece que todos os aposentados e pensionistas que ganham abaixo do teto também contribuam para o regime previdenciário. Hoje, esse grupo é isento de taxa.

A ideia do governo é passar a descontar 11% dos benefícios de quem recebe entre um salário mínimo (R$ 1.045) e o teto da Previdência (R$ 6.101,06). Para os que recebem mais do que isso, a alíquota seria progressiva, variando de 14% a 18%. Não está definido se a taxação seria aplicada apenas aos que se aposentarem após a reforma ou se haveria cobrança para quem já é segurado.

O secretário estadual de Tributação, Carlos Eduardo Xavier, reconhece que a medida é “dura”, mas afirma que a cobrança é necessária para que a reforma tenha impacto fiscal significativo. “Tem certas questões das quais a gente não pode abrir mão. Precisamos ajustar o sistema previdenciário para que o Estado volte a respirar”, disse, em entrevista a uma rádio local na última sexta-feira, 17.

Atualmente, a média salarial dos servidores do Estado é de R$ 4,8 mil, ou seja, abaixo do teto. Isso significa que a maioria dos funcionários, quando se aposenta, deixa de contribuir para o regime e ainda vira uma despesa.

O Governo do Estado propõe também elevar a contribuição dos funcionários que estão na ativa e que ganham acima do teto da Previdência. A proposta é estipular taxas progressivas, com alíquotas maiores para quem tem maiores salários, entre 14% e 18%.

Segundo o esboço da reforma em discussão, no caso de um servidor que recebe R$ 21 mil, a cobrança incidiria da seguinte forma: 14% sobre a faixa de R$ 6.101,07 a R$ 10.000,00; 16% sobre a faixa de R$ 10.001,00 a R$ 20.000; e 18% sobre a faixa restante, de R$ 20.001,00 a R$ 21.000,00.

Para quem ganha abaixo do piso, a taxa de contribuição permaneceria em 11%. Vale ressaltar que a contribuição patronal (paga pelo Governo do Estado) é o dobro da paga pelo funcionário.

Na avaliação do secretário de Tributação, nesses dois pontos (aumento da alíquota para os servidores da ativa e taxação dos inativos), não há margem para negociação. “Essas duas questões a gente precisa enfrentar. São extremamente delicadas, mas, sem elas, a gente não tem efeito fiscal nenhum com essa reforma”, destacou Carlos Eduardo Xavier.

Pontos negociáveis

O secretário de Tributação do Estado disse que outros pontos da reforma podem ser “modulados”. Ele citou a idade mínima para aposentadoria. Na reforma da Previdência nacional, válida para o regime geral do INSS, foi estabelecido o mínimo de 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens. Carlos Eduardo Xavier declarou que é necessário, de fato, elevar as idades, mas é possível deixar a idade mínima das mulheres em 60 anos, tornando o aumento menos rigoroso para elas.

O cálculo do benefício pode ficar também mais suave para os servidores, segundo o secretário. Ele explica que, na reforma geral promulgada no fim do ano passado, foi estabelecido que o valor do benefício do INSS será a média de 100% das contribuições efetuadas. “Hoje, é a média de 80% das maiores contribuições. Podemos avançar para 90%”, complementou.

Há margem para negociação, ainda, nas regras de pensão. O titular da Secretaria de Tributação afirmou que o governo pode suavizar as normas em relação ao que foi aprovado nacionalmente. No caso do INSS, agora a pensão por morte será de 50% do valor da aposentadoria, acrescido de 10% para cada dependente. Foram endurecidas também regras para acúmulo de benefícios.

Carlos Eduardo Xavier enfatizou que esses pontos são negociáveis, mas não podem ser excluídos da proposta. “Estamos mexendo porque não tem condições de ficar como está. Todo dia tem servidor se aposentando. Estamos abertos para discussão, mas não podemos deixar de fazer (a reforma)”, ressaltou.

Outro ponto indefinido é o limite para concessão de benefícios. Pela regra geral, novas aposentadorias e pensões não podem ser superiores ao teto da Previdência.

Atualmente, segundo o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Estaduais (Ipern), o déficit financeiro mensal do regime próprio do Rio Grande do Norte é de R$ 130 milhões. Essa é a diferença entre o que o Estado tem de pagar de benefícios e o que realmente arrecada. O rombo é coberto com recursos do Tesouro. “Esse aumento de alíquota já era para ter sido feito antes”, fala o secretário de Tributação.

Reunião com servidores e envio para a Assembleia

Os detalhes da reforma foram discutidos na semana passada com os servidores. No encontro, os funcionários estaduais apresentaram algumas sugestões de mudanças no texto, que estão sendo avaliadas pela equipe econômica e que serão levadas à governadora Fátima Bezerra no início desta semana.

Uma nova reunião está marcada para acontecer na próxima quarta-feira, 22, quando os detalhes finais do texto serão discutidos. A expectativa é que o texto já esteja na Assembleia Legislativa quando os deputados estaduais voltarem do recesso parlamentar, em 4 de fevereiro.

Segundo Carlos Eduardo Xavier, o governo tem até 31 de julho para aprovar sua reforma da Previdência e, assim, se adequar às novas normas federais. A não adaptação à reforma geral pode levar o texto a perder o Certificado de Regularização Previdenciária, documento sem o qual o Estado ficaria impossibilitado de contratar empréstimos ou receber verbas federais.

Alguns itens são obrigatórios, como o aumento da alíquota previdenciária. Neste caso, o Estado tem duas opções: ou adota a alíquota progressiva (defendida pelo governo) ou aumenta a taxa para 14% para todos os grupos.

Servidores protestam contra a reforma

Entidades que representam funcionários do Governo do Estado têm reprovado a proposta. A presidente do Sindicato dos Servidores da Administração Direta (Sinsp), Janeayre Souto, disse que nenhuma sugestão de mudança apresentada pelo Fórum dos Servidores foi acatada pelo governo, apesar de o secretário de Tributação falar em “pontos negociáveis”.

Na próxima quinta-feira, 23, servidores devem se reunir para discutir a minuta do projeto que será entregue pelo governo na véspera. Segundo Janeayre, se a gestão da governadora Fátima Bezerra insistir na proposta que tem defendido até agora, os servidores farão uma paralisação na próxima terça-feira, 28, em frente à Governadoria, em protesto contra a reforma da Previdência.

Fonte: Agora RN

Luis Arce, ex-ministro da Economia da Bolívia, será candidato à presidência pelo partido de Evo Morales

 

O ex-ministro da Economia da Bolívia, Luis Arce foi escolhido neste domingo (19) como candidato à presidência do país pelo partido de Evo Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS). O pleito está previsto para acontecer no dia 3 de maio.

O companheiro de chapa de Arce é o ex-chanceler David Choquehuanca. O anúncio foi feito pelo próprio Evo Morales, durante entrevista coletiva em Buenos Aires. O ex-presidente está refugiado na capital argentina desde que renunciou ao cargo, em novembro do ano passado.

A votação para definir o candidato à presidência aconteceu em Buenos Aires. Arce foi escolhido por mais de 50 delegados do partido. Morales atuará nas eleições como chefe de campanha do MAS.

Crise, renúncia e novas eleições

A Bolívia realizou eleições presidenciais em 20 de outubro. Havia duas apurações: uma preliminar e mais rápida, e outra de resultado definitivo, por contagem voto a voto. Os resultados iniciais da primeira apuração apontavam um segundo turno quando ela foi interrompida.

Passou-se somente à contagem definitiva, mais lenta. Antes mesmo do resultado definitivo que apontava a vitória de Evo, já começaram as manifestações. Simpatizantes de Carlos Mesa, o candidato derrotado, foram às ruas para denunciar uma fraude na apuração. Houve relatos de confrontos em Sucre, Oruro, Cochabamba e La Paz, entre outras cidades.

Em 24 de outubro, foi confirmada a vitória de Evo, com 10,56 pontos percentuais à frente de Carlos Mesa. Após o resultado, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o governo da Bolívia anunciaram que a entidade faria uma auditoria do processo eleitoral inteiro.

Durante o início de novembro, os protestos voltaram a acontecer, não apenas entre a população. Departamentos de polícia das regiões de La Paz, Cochabamba, Sucre e Santa Cruz decidiram que não iriam mais reprimir os manifestantes e se amotinaram.

No dia 10 de novembro, a auditoria da OEA confirmou que houve fraude nas eleições. Logo em seguida, Evo Morales convoca a imprensa e anuncia a dissolução do Tribunal Superior Eleitoral e a convocação de novas eleições.

Depois, os chefes das Forças Armadas e da Polícia pediram que Evo Morales deixasse o cargo para “pacificar” o país. No mesmo dia, Morales renuncia à presidência.

Fonte: G1

Av. Prudente de Morais será interditada para obras nesta segunda

 

A Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) informa que a Av. Prudente de Morais será interditada entre a Rua Raimundo Chaves até a Av. Gov. Tarcísio de Vasconcelos Maia, mais conhecida como Av. da Integração, para obras de recapeamento asfáltico. A intervenção deve durar cerca de 30 dias.

 
Segundo o órgão, a obra faz parte dos serviços de recapeamento asfáltico nos principais corredores de transporte público da capital, onde estão sendo investidos R$ 6 milhões oriundos das multas de trânsito. “São ações fundamentais para dar mais fluidez e agilidade as linhas de ônibus de nossa cidade”, ressalta Elequicina Santos, secretária da STTU.

1ª FASE – PISTA SENTIDO CIDADE SATÉLITE

De acordo com a STTU, os trabalhos serão iniciados na Av. Prudente de Morais nesta segunda-feira (20/01) por volta das 7h na pista sentido Cidade Satélite, onde o asfalto antigo será fresado – ou seja, parcialmente removido – para aplicação da nova camada de asfalto. De acordo com a construtora que executa o serviço, a obra nesta pista deve durar em torno de 15 dias, dependendo das condições do tempo.

Com a obra, a via será fechada para veículos de passeio e de carga, ficando liberada apenas para o transporte público, o qual circulará em apenas uma faixa. Os veículos vindos das ruas Pres. Pamplona, Ernesto Nazareth, Zumbi, Candelária, Barão de Serra Branca, Santa Cecília, Sete de Setembro, Manoel de Abreu e Militão Chaves não poderão acessar a Av. Prudente de Morais durante a obra.

A STTU recomenda que os motoristas programem o trajeto de seu deslocamento com antecedência para evitar a Av. Prudente de Morais, podendo utilizar como rota alternativa a Rua Jaguarari. Já os moradores de Planalto e Cidade Satélite também podem utilizar como alternativa para acessar os bairros a entrada por Cidade Nova, pela Av. Solange Nunes do Nascimento e Rua Eng. João Hélio Alves da Rocha.

2ª FASE – PISTA SENTIDO PETRÓPOLIS

Após a finalização da pista sentido Cidade Satélite, será iniciada a pista sentido Petrópolis, serviço que será realizado nos mesmos moldes da outra pista, com duração prevista também de 15 dias.

Durante o bloqueio, o tráfego de veículos de passeio vindos da Av. Pref. Omar O’Grady, conhecido como Prolongamento da Av. Prudente de Morais, será direcionado para a Rua Jaguarari ou para BR-101 por meio da Av. da Integração, exceto no caso do transporte público, que poderá circular no trecho em obras. Os veículos vindos das ruas Militão Chaves, Madre Vasconcelos, São João da Cruz, Brisa da Tarde, Sete de Setembro, Marquês de Pombal, Bento Gonçalves (exceto transporte público), Zumbi, Laura Maia e Diogo Feijó não poderão acessar a Av. Prudente de Morais durante a obra.

Nesse período, a STTU recomenda que os motoristas que saem do Planalto e Cidade Satélite utilizem a saída do bairro por Cidade Nova, pela Rua Eng. João Hélio Alves da Rocha e Av. Solange Nunes do Nascimento, ou ainda pela BR-101 Sul, como forma de evitar a região da intervenção.

Durante os 30 dias das obras nas duas pistas, agentes de mobilidade da STTU estarão no local para orientar os motoristas e os usuários do transporte público. Em caso de dúvidas o cidadão pode ligar para o Alô STTU – no telefone 156 – ou perguntar pelo Twitter oficial, o @156Natal.

Fonte: Grande Ponto