Corpo de Bombeiros registra 21 incêndios florestais no RN somente em um dia

 

Embora tenha registrado redução no caso de incêndios florestais de janeiro a setembro deste ano, o Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte informou que os casos aumentaram 40% nos primeiros dias de outubro na comparação com o mesmo período de 2018. Do dia 1º até a última terça-feira (8) foram 44 casos, contra 31 no ano passado. Somente entre esta quarta-feira (9), o estado teve registro de 21 casos, segundo a corporação.

Os principais incêndios registrados nesta quarta (9) foram no Vale do Açu; Patu, com 350 focos; Currais Novos; Mossoró; Portalegre, que teve três grandes incêndios seguidos; Viçosa e Ceará-Mirim, na região metropolitana de Natal. Outros 11 casos também no entorno da capital.

Os dados foram divulgados pelo comandante-geral da corporação, coronel Luiz Monteiro Júnior, nesta quinta-feira (10). De acordo com ele, no comparativo de janeiro a setembro, o estado estava apresentando redução no número incêndios: foram 269 em 2019, contra 339 no ano passado. Porém a tendência de queda mudou em outubro, com a chegada do tempo mais seco.

Por causa dos incêndios florestais, o Governo do Estado publicou um decreto de emergência para combater incêndios e mitigar os estragos na região de Portalegre e Viçosa. O documento, válido por 30 dias, permite ao Corpo de Bombeiros contratar serviços e comprar equipamentos sem licitação.

De acordo com o comandante, a corporação ainda prepara um orçamento, para saber quanto vai custar a compra dos equipamentos, porém eles já estão definidos: são enxadas, pás, rasteios, 4 picapes, 70 bombas costais, 20 sopradores, binóculos, lanternas, capacetes, perneiras e máscaras, entre outros. O dinheiro, segundo ele, já existe no orçamento e será tirado do Fundo Especial de Reaparelhamento da corporação, abastecido por uma taxa cobrada junto com o IPVA no estado.

Combate continua

Um dos incêndios mais demorados é o registrado na serra da cidade de Portalegre, distante 369 km de Natal. Já são cinco dias de combate, que agora conta com 40 militares. Durante todo o dia equipes de bombeiros militares se reversam, com voluntários. Umas das principais dificuldades é o acesso às chamas devido à topografia e a mata fechada. Mesmo assim, vários focos já foram combatidos e debelados.

Fonte: G1 RN

Comentários


Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/98fmnatal/www/wp-includes/functions.php on line 4597

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.