Polícia apreende sistema de voz de portaria do condomínio onde mora suspeito da morte de Marielle

 

Policiais da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro e peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) fizeram, na manhã desta quinta-feira (7), uma operação para apreender o sistema de gravação da portaria do condomínio onde mora Ronnie Lessa, um dos acusados pela morte da vereadora Marielle Franco.

No local também reside a família do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

A polícia vai analisar e tentar identificar todas as pessoas que chegaram à portaria do condomínio no dia 14 de março de 2018, data da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Os peritos vão tentar ainda identificar as vozes dos porteiros que trabalharam naquele dia, além de analisar os áudios gravados pelo sistema de comunicação da portaria com as residências.

Os policiais querem confirmar ainda se Élcio de Queiroz, outro acusado pela morte da vereadora, chegou ao local nesta data e para qual casa ele interfonou.

Em depoimento, um porteiro disse que ele disse que ia para a casa 58, a de Bolsonaro, e que o “Seu Jair” liberou a entrada pelo interfone. Bolsonaro, na época deputado federal, estava em Brasília no dia e marcou presença em duas votações na Câmara.

Segundo o Ministério Público, um áudio contradiz essa versão. As promotoras afirmaram que uma gravação no sistema mostra que um porteiro ligou para Ronnie Lessa, na casa 65/66, e que foi ele que liberou Élcio de Queiroz a entrar, e não Bolsonaro. A perícia do MP foi feita com base em áudios entregues pelo síndico do condomínio – e não nos equipamentos.

A apreensão dos equipamentos só foi possível depois que a Procuradoria-Geral da República informou oficialmente do arquivamento da consulta sobre a citação ao nome do presidente por um dos porteiros.

Perícia criticada

A Associação Brasileira de Criminalística e a Associação Nacional dos Peritos Criminais criticaram a forma e a rapidez com que a perícia do MP foi feita. Os peritos do MP tiveram duas horas e meia pra responder às perguntas das promotoras.

As associações questionaram ainda por que as promotoras não perguntaram se algum arquivo do sistema de áudio do condomínio pode ter sido apagado ou renomeado.

As promotoras do grupo especial do MP informaram nesta quinta que acompanham os atos da investigação, mas que não vão se pronunciar porque as diligências estão sob sigilo.

Polícia Federal abriu inquérito, a pedido do Ministério Público Federal, para apurar se o porteiro mentiu em depoimento. Será investigado se houve obstrução de Justiça, falso testemunho e denunciação caluniosa contra o presidente.

Comentários


Notice: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/98fmnatal/www/wp-includes/functions.php on line 4722

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.