Após denúncia, Governo do RN diz que compra de R$ 1 milhão em sacos de lixo seguiu ritos legais

Site de notícias diz que a governadora, Fátima Bezerra, e o secretário de Saúde, Cipriano Maia, teriam sido denunciados por improbidade administrativa à Procuradoria da República no Estado

Governadora Fátima Bezerra e o secretário de Saúde, Cipriano Maia. Foto: Robson Araújo

O Governo do Rio Grande do Norte respondeu nesta quinta-feira (25) a publicação feita por um site de notícias que afirma que a governadora, Fátima Bezerra, e o secretário de Saúde, Cipriano Maia, teriam sido denunciados por improbidade administrativa à Procuradoria da República no Estado por comprar em 2020 mais de R$ 1 milhão em sacos de lixo à empresa aberta menos de 1 mês antes da transação. Em nota enviada à 98 FM, o Governo, através da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), afirmou que o trâmite para a contratação seguiu todos os ritos legais e que a dispensa de licitação se deu em caráter emergencial devido à pandemia. A administração estadual disse ainda  que o setor jurídico do Governo está checando a possível denúncia e que o valor pago a empresa foi de R$ 1.215.725,00.

A publicação traz um suposto documento de um inquérito civil que diz que em agosto de 2020 foram adquiridos sacos de lixos hospitalares, somando um custo total de R$ 1,31 milhões. A matéria afirma que a empresa A. C. Comércio de Produtos de Limpeza foi aberta no dia 3 de junho de 2020 e as compras foram realizadas com dispensa de licitação em 28 de agosto de 2020. A identidade de quem estaria movendo a ação contra o Governo não foi revelada.

Segundo a Sesap, o contrato firmado com empresa em setembro de 2020 envolvia o fornecimento de sacos de óbito, sacos de lixo hospitalar e de lixo comum por seis meses. O órgão afirmou que o caráter emergencial do processo se deu pelo quadro de iminente desabastecimento dos materiais nos hospitais e unidades de referência do estado à época.

A Secretaria explicou que a empresa atendeu a todos os requisitos do processo de contratação e entregou todos os produtos dentro das especificações exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com a Sesap, em 8 de dezembro de 2020, a empresa informou que não teria condições de atender o restante de todos os itens requisitados, anulando assim R$ 103.175,00 em valores estimados no contrato.

A Sesap completou dizendo que o trâmite para a contratação seguiu todos os ritos legais e incluiu a participação de dez empresas que apresentaram propostas. O chamado emergencial não teria sido necessário pois a Secretaria de Estado da Administração (SEAD) não contava com ata de compra vigente e o processo licitatório em curso não atendia as necessidades da Sesap. A Secretaria explicou que para evitar o total desabastecimento dos itens na rede hospitalar, o processo emergencial foi realizado.

A Sesap citou ainda que a Lei de Licitações (nº 8.666/1993), assim como a legislação vigente por conta da pandemia no Brasil, autorizam a dispensa de licitação em situações de emergência ou de calamidade pública, como caracterizada legalmente neste período.


Ler Anterior

Estamos perdendo uma geração por incompetência, diz Klaus Araújo sobre suspensão de aulas

Ler Próximo

Nascidos em setembro podem atualizar dados no Caixa Tem