BUSCAR
BUSCAR
Após recusar vacina contra covid-19, Gabriel Medina fica fora de etapa do Mundial de Surfe
Gabriel Medina. Foto: Lisi Niesner/Reuters

Gabriel Medina não estará presente na etapa do Mundial de Surfe realizada em Teahupoo, na Polinésia Francesa, pois não tomou a vacina contra a covid-19. Apesar de o Comitê Olímpico do Brasil (COB) ter disponibilizado doses do imunizante para todos os atletas que representam o País nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, o surfista brasileiro decidiu não se imunizar e, por isso, não tem possibilidade de disputar a competição na ilha do Taiti.

Medina confirmou a informação em uma live nas redes sociais e mostrou seu descontentamento com a situação. “Eu não vou para Teahupoo, porque não tomei a vacina. Aí tem que fazer 10 dias de quarentena. Aí não dá tempo de ir do México para lá porque é uma seguida da outra. Vou ser obrigado a não ir, sacanagem”, afirmou.

Por outro lado, Medina afirmou que pode descartar uma etapa do Mundial. Segundo ele, “(a situação) está de boa”. Considerando a delegação brasileira que viajou ao Japão, 75% dos atletas se vacinaram, enquanto 25% preferiram não receber a dose. Eles eram livres para tomar a decisão. Os nomes e motivos das recusas não foram revelados pelo COB.

Apesar da ausência em Teahupoo, Medina é o líder da principal disputa do surfe, com 46.720 pontos à frente do campeão olímpico Italo Ferreira, que tem 33.555. A próxima etapa do campeonato ocorre no México, entre os dias 10 e 20 de agosto.

Depois disso, o brasileiro pula o evento na Polinésia Francesa e se dirige para Lower Trestles, na Califórnia, onde disputa a WSL Finals, novidade anunciada pela Liga Mundial de Surfe para essa temporada e que vai reunir os cinco primeiros surfistas do ranking com o objetivo de definir o campeão.

Nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Medina ficou na quarta colocação depois de perder para o japonês Kanoa Igarashi na semifinal do torneio e para o australiano Owen Wright na disputa do bronze. O surfista não hesitou em expor sua discordância com a decisão dos árbitros e acredita que merecia um resultado melhor na competição.

Fonte: Estadão

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]