Aras vai assistir vídeo da reunião ministerial para decidir se encaminha inquérito para o fim

Procurador-geral da República quer ‘formar juízo’ sobre o conteúdo da gravação para decidir os próximos passos da investigação sobre suposta interferência na Polícia Federal; Oitiva do presidente será o último ato.

Compartilhe esse post

O procurador-geral da República, Augusto Aras, vai assistir neste final de semana ao vídeo da reunião ministerial de 22 de abril para decidir, depois, se existem diligências a serem pedidas, ou se já encaminha a investigação sobre a suposta interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal para o final. Ou seja, para a oitiva do presidente da República.

O depoimento de Bolsonaro será o último ato do inquérito, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). A Procuradoria Geral da República (PGR) considera que o inquérito está da fase intermediária para o fim, e espera que a investigação se encerre no prazo de 60 dias.

Segundo o blog apurou, Aras quer “formar juízo” sobre o vídeo para se manifestar sobre os próximos passos. Até agora, ele recebeu relatos de assistentes da procuradoria que acompanharam a exibição do vídeo.

O procurador também considera que o depoimento de Paulo Marinho era necessário, mas avalia que o inquérito só usará informações do empresário se ele revelar fatos novos.

Aras tem dito, nos bastidores, que não pode transformar o vídeo “em um carnaval”.

Pedido de apreensão de celular do presidente

O procurador-geral da República também aguarda chegar às suas mãos o pedido de apreensão do celular do presidente, feito em notícias-crimes apresentadas por partidos políticos após o ex-ministro da Justiça Sergio Moro deixar o governo acusando Bolsonaro de tentar interferir na PF. Bolsonaro nega.

Os pedidos foram enviados à PGR pelo relator do inquérito sobre o assunto, ministro Celso de Mello.

No Planalto, a avaliação é a de que Aras se manifestará contra o pedido. A interlocutores, o PGR considerou que houve “excesso de zelo” de Celso de Mello ao enviar a representação para sua manifestação – e que o relator poderia ter arquivado a representação.

Calamidade

No Planalto, assessores do presidente adotaram o discurso de que o vídeo ajuda Bolsonaro junto a seus eleitores porque reforça a personalidade do candidato que a sua base elegeu.


Compartilhe esse post

Ler Anterior

Inmet emite alerta de chuvas intensas em Natal e em boa parte do interior

Ler Próximo

Governo do Estado vai destinar R$ 405 mil para obras na Prudente com a Integração

Envie uma mensagem para o setor responsável.
WeCreativez WhatsApp Support
98 FM
Pedir Música
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Flávio Amorim
Comercial
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Sheyla
Vendas
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Vanessa
Vendas
Acessível