Até quando ?

Futebol é vitima da incompetência do poder público, dirigentes, clubes e profissionais são criminalizados por defenderem volta das atividades

Até quando clubes e profissionais vão aguentar tanta incompetência do poder público? Foto: Divulgação

Segue a tranca no Rio Grande do Norte, com o decreto de isolamento sendo prorrogado em mais uma semana, e o que chegou ser sinalizado como uma luz no escuro túnel do futebol potiguar voltou a se apagar. A sugestão da FNF era pela flexibilização dos treinos ainda neste mês de junho e a retomada do Estadual a partir de 23 de julho, foi por terra depois de mais uma prorrogação, e a pergunta que não tem resposta é até quando?  Isso é uma bola de neve e que está atingindo o futebol nordestino como um todo.

Vejam que estou falando da volta aos treinos, da possibilidade de um clube de futebol que é uma empresa geradora de empregos voltar a trabalhar, sem contar que nenhum outro segmento será tão seguro para retornar ao trabalho como o futebol. Basta um pouco de boa vontade para ler o Guia Médico da CBF e os protocolos que estão sendo apresentados por clubes e federações.

Quando se defende a volta das atividades do futebol não existe nenhuma falta de empatia, desrespeito com as famílias das vitimas da Covid-19 ou coisa parecida!  Não tem ninguém aqui torcendo  contra a  vida, que conversa é essa?

O que eu defendo é o direito ao trabalho de centenas de profissionais no futebol do Rio Grande do Norte e milhares no Brasil. A continuar nessa pegada, o Estadual do RN que faltam poucos jogos, coisa de 4 ou 5 rodadas, vai acabar mesmo indo para dezembro, o que no atual cenário não é assim tão preocupante, já que atenderia os clubes menores, mas e a volta aos treinos dos que vão jogar competições em nível nacional, como a Copa do Brasil, Copa do Nordeste e Brasileiro ?

O futebol não é algo menor e nem algo que  possa ser colocado em fim de fila. É, e vou repetir, uma atividade econômica importante. No combalido RN de tanto desemprego, os clubes de futebol geram algo em torno de 300 empregos diretos e outros tantos indiretos. No Brasil,  o futebol gera  156 mil empregos diretos e é um segmento que não merece ser apontado como um possível culpado pelo aumento da doença no país.

São mais de 100 dias de paralisação, contratos suspensos, salários reduzidos, clubes quebrando, risco de uma explosão de ações trabalhistas, dirigentes de mãos amarradas e profissionais querendo trabalhar.

Do governo? Mais uma semana de tranca tudo, mais uma semana com tudo fechado, mais uma semana, mais uma semana, mais uma semana, mais uma semana…

Vejam o que estão fazendo no Rio! Estão criminalizando os clubes, dirigentes e a federação do Rio de Janeiro pela volta do Carioca, quando os jogos e treinos vem acontecendo no mais absoluto cenário de segurança sanitária. Qual é a outra atividade no Rio que está tendo os cuidados e a segurança que tem os clubes e federação ? Qual é a responsabilidade do futebol neste cenário todo???

O prazo agora no RN, o novo prazo é 1º de julho. Até lá…

 

 


Ler Anterior

Indústria de alimentos contratou 8 mil pessoas durante pandemia

Ler Próximo

Coronavírus: Justiça pede que Prefeitura do Natal se manifeste sobre pedido de suspensão dos testes rápidos