Autor de ataque a creche em Santa Catarina tem alta e é encaminhado para presídio

Com lesões no pescoço, ainda decorrentes do ataque à creche Pró-Infância Aquarela, Fabiano Kipper Mai não esboçou reação ao deixar o hospital

O autor da chacina da creche Saudades, Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, deixou o hospital. Foto: Foto: Reprodução NDTV

Por R7

Após oito dias internado, o autor da chacina da creche Saudades, Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, deixou o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, Santa catarina, no começo da manhã desta quarta-feira (12).

Com lesões no pescoço, ainda decorrentes do ataque à creche Pró-Infância Aquarela, ele não esboçou reação ao deixar o hospital. Algemado, o jovem foi levado até a sede administrativa do hospital, que fica no andar inferior da unidade, em uma cadeira de rodas.

Kipper Mai foi caminhando até a viatura do Deap (Departamento de Administração Prisional), que aguardava ao lado de fora do hospital.

Quando questionado pelo jornalista do Grupo ND, Felipe Kreusch, sobre o que motivou o ataque à creche e se estava arrependido do que fez, o jovem permaneceu com um olhar frio e em silêncio. A viatura deixou a unidade de saúde às 7h38.

O boletim médico do HRO consta que a alta hospitalar aconteceu às 6h30. Ele ficou oito dias internado e precisou passar por cirurgias. O rapaz ficou um período sedado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) até apresentar melhorar e ir para um leito normal.

O autor da chacina foi interrogado por uma hora na última terça-feira (10) pelo delegado Ricardo Casagrande. O jovem prestou as declarações de forma espontânea, dispensando a presença de um advogado. O conteúdo do depoimento, no entanto, só será revelado pela polícia após a conclusão do inquérito.

O jovem teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Ao longo desta semana, a polícia ouviu mais de 20 pessoas e encontrou na casa do jovem dinheiro e duas embalagens de facas novas.


Ler Anterior

Conor McGregor lidera lista de atletas mais bem pagos da Forbes

Ler Próximo

Congresso deve definir modelo de privatização dos Correios, diz Fábio Faria