Auxílio emergencial pode voltar apenas para metade dos favorecidos, afirma Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender nesta quinta-feira (4) a manutenção do auxílio emergencial, porém dessa vez fala em atender apenas a camada “mais vulnerável”.

O ministro deu a declaração ao fazer um pronunciamento no Ministério da Economia ao lado do novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O ministro também disse que a retomada do auxílio depende do acionamento de “cláusulas necessárias”.

Ao se dirigir à imprensa, Rodrigo Pacheco afirmou: “A pandemia continua e agora eu vim ao ministro da Economia, Paulo Guedes, externar o que é a preocupação do Congresso Nacional […], que é uma preocupação em relação à assistência social, a um socorro que seja urgente, emergencial, para poder ajudar a camada mais vulnerável.”

Paulo Guedes, na sequência, declarou: “O auxílio emergencial, se nós dispararmos as cláusulas necessárias, dentro de um ambiente fiscal robusto, já mais focalizado – em vez de 64 milhões, pode ser a metade disso, porque a outra metade retorna para os programas sociais já existentes –, isso nós vamos nos entender rapidamente porque a situação do Brasil exige essa rapidez.”


Ler Anterior

RN é o primeiro estado totalmente integrado ao vacinômetro do Governo Federal

Ler Próximo

Governo Federal afirma que importará vacina Sputinik se Anvisa aprovar