BUSCAR
BUSCAR
Avião da FAB para Temer e ligações para Moraes: os bastidores do manifesto de Bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro acompanhado do ex-presidente Michel Temer. Foto: Alan Santos/PR

A carta à nação que foi publicada na tarde desta quinta-feira (9) pelo presidente Jair Bolsonaro só foi divulgada depois de telefonemas entre o presidente e o ministro do STF, Alexandre de Moraes, por intermédio do ex-presidente Michel Temer, líder do MDB.

Um jato da FAB (Força Aérea Brasileira) foi enviado na manhã desta quinta para buscar Temer em São Paulo para a reunião com Bolsonaro. O encontro foi pedido pelo próprio Bolsonaro –começou às 11h e terminou por volta das 16h, com pausa para almoço.

Durante a reunião, o presidente falou mais de uma vez, por telefone, com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, duramente criticado por Bolsonaro nos atos de 7 de setembro e chamado de “canalha”. Temer foi o responsável pela indicação de Moraes no STF.

No intervalo, Temer ainda conversou com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), apoiador de Bolsonaro.

Temer e o presidente já vinham se falando nos últimos dias depois de o ex-presidente prontificar com o STF a fazer uma ponte com Bolsonaro. Com boa relação com o antigo mandatário do Planalto, o presidente resolveu se aconselhar com Temer após a forte reação negativa de políticos e até mesmo de alguns empresários após as manifestações de 7 de setembro por todo o Brasil.

A conversa de Moraes com Bolsonaro ocorreu depois que o ministro autorizou o ex-presidente a negociar um encontro. À época, o ministro afirmou que não tinha interesse em manter o clima de tensão entre os Poderes e reconheceu que o Bolsonaro tem o direito de apresentar o pedido de impeachment contra ele.

Carta à nação

Depois da reunião, presidente Jair Bolsonaro publicou a nota oficial no Diário Oficial para tentar amenizar a crise entre os poderes e as críticas e acusações de apoio a pautas antidemocráticas, principalmente após os discursos feitos no 7 de setembro.

O manifesto tem 10 pontos e foi produzido a quatro mãos durante o encontro com Temer. Dentre eles, disse que “não tinha a intenção de atacar nenhum dos outros poderes”, e que não tem “direito de esticar a corda” no que ele pontua como conflitos pelas decisões ministro do STF Alexandre de Moraes, mas pregou respeito às instituições.

Fonte: Band News


WHATS 98 FM

Quer receber notícias na palma da sua mão? É muito fácil. Para ficar bem informado, mande um “oi” agora mesmo para o nosso WhatsApp e fique atualizado.

Fale conosco: 99998-9898

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]