Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial ‘vai ser até dezembro, só não sei o valor’

Presidente disse ainda que benefício custa R$ 50 bi por mês e ‘não pode ser eterno’

Foto: Reprodução CNN

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta sexta-feira (21) que o Auxílio Emergencial será prorrogado até dezembro. Ele não disse qual será o valor. O benefício paga, desde abril, R$ 600 mensais aos trabalhadores informais e desempregados em razão da pandemia do coronavírus. A última parcela, para os trabalhadores que fazem parte do programa Bolsa Família, termina de ser paga no final deste mês.

“O Auxílio Emergencial foi bem-vindo, mas ele custa R$ 50 bi de reais, e infelizmente não pode ser definitivo, mas vamos continuar com ele, mesmo com valores diferentes, até que a economia possa pegar em nosso país”, disse durante o discurso.

A declaração foi provocada por uma apoiadora durante evento no Rio Grande do Norte. Ela sugeriu a prorrogação do benefício e ele respondeu: “Até dezembro, só não sei o valor”.

Bolsonaro disse ainda que, por causa do benefício custar R$ 50 bilhões por mês, “não pode ser eterno”.

Auxílio Emergencial

Lançado em abril deste ano, o Auxílio Emergencial previa o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais e desempregados em função da pandemia do novo coronavírus. O benefício foi prorrogado para cinco parcelas em julho, e tem contribuído para um aumento real da massa de rendimentos dos brasileiros.

O governo vem sinalizando que o programa deve ganhar vida extra, mas não anunciou como será essa nova prorrogação: nem o valor, nem o número de novas parcelas.

A expectativa por novos pagamentos surge enquanto a equipe econômica do governo ainda discute um modelo de ampliação para o Programa Bolsa Família, o chamado Renda Brasil. Como o impasse persiste sobre a nova assistência social, o governo tenta esticar o auxílio para que não haja uma janela de abandono aos mais de 60 milhões de recebedores do benefício de emergência.

Fonte: G1 RN


Ler Anterior

OMS: Covid-19 mostra tendência de queda no Brasil

Ler Próximo

Brasil cria 131 mil vagas com carteira assinada em julho