Lockdown faz óbitos caírem em 63% em Araraquara

A medida do município foi decretada e 21 de fevereiro a 2 de março. Foto: Prefeitura de Araraquara

Os casos de Covid-19 na cidade paulista de Araraquara caíram 58% após 1 mês de lockdown, revelam dados da prefeitura. A medida do município foi decretada e 21 de fevereiro a 2 de março, e houve queda no número de diagnósticos positivos da doença, internações e óbitos. Em entrevista ao 12 Em Ponto 98 desta terça-feira (20), o prefeito da cidade Edinho Silva (PT) disse que a taxa de óbitos caiu em 63% após a medida.

“A média móvel de contaminados caiu 71%, os pacientes em quarentena contaminados caiu 87%, e os óbitos nós derrubamos em 63%”, disse Edinho.

O prefeito explicou que o lockdown é uma medida extrema que se adota quando não há outra solução a tomar. Segundo ele, Araraquara vivenciou na última semana de janeiro de 2021 um crescimento da curva móvel de área de contaminados, e foi constatado após encaminhamento de amostras destes pacientes para o Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade Federal de São Paulo) que já havia contaminação pela cepa P.1 de Manaus.

Se baseando na situação crítica de Manaus, o prefeito disse que resolveu aumentar a infraestrutura para garantir assistência médica com ampliação de leitos, fez estoques de cilindros de oxigênio e insumos de intubação, além da ampliação de equipes médicas. Edinho disse que colocou a cidade na fase vermelha que é a mais restritiva no plano de combate á pandemia do Estado de São Paulo, onde é limitado as atividades e serviços.

“O que aconteceu é que infelizmente a curva de contaminação não caiu, foi aí que na semana seguinte tomamos a decisão de aumentarmos de forma significativa às restrições caracterizando o lockdown”, disse o prefeito.

Segundo Edinho mesmo com a ampliação de leitos Araraquara entraria em colapso no sistema de saúde porque a curva de transmissão estava acentuada, por isso foi necessário adotar o sistema mais rígido. O transporte público foi tirado de circulação e foi retomado após 11 dias, já nos primeiros 6 dias os supermercados foram fechados,  as demais atividades foram suspensas com restrição máxima, só foi permitido a abertura de farmácias.

“Claro como eu disse, que é uma medida que se impõe, mas também os resultados são inquestionáveis, estamos caminhando para 2 meses que não temos nenhum paciente aguardando internação em Araraquara”, pontuou.

Segundo o prefeito tirando os pacientes que já  estão sendo atendidos, incluindo de outros estados,  a taxa de ocupação de leitos de enfermaria é de 18%, e de leitos de UTI é de 43%. O gestor destacou que sempre houve diálogo com os setores econômicos e com os sindicatos.