China diz que não há necessidade de vacinar toda a população contra Covid-19

Pequim busca priorizar trabalhadores da área da saúde e as populações de alto risco em uma ação que reforça a confiança crescente do país em sua capacidade de conter o vírus

Nem todos na China precisarão ser vacinados contra o novo coronavírus, de acordo com Gao Fu, diretor do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), já que Pequim busca priorizar trabalhadores da área da saúde e as populações de alto risco em uma ação que reforça a confiança crescente do país em sua capacidade de conter o vírus.

“Desde que a primeira onda de Covid-19 apareceu em Wuhan, a China já sobreviveu ao impacto da Covid-19 várias vezes”, afirmou Gao, em uma cúpula de vacinas na cidade de Shenzhen no sábado (12), de acordo com a agência de notícias estatal China News Service.

A questão de vacinar a população envolve equilibrar “riscos e benefícios”, acrescentou ele, apontando para fatores como custo e potenciais efeitos colaterais. “Atualmente, não há necessidade de vacinação em massa neste estágio – embora isso possa mudar se outro surto grave ocorrer”, disse Gao.

Essa política distingue a China de muitos governos, principalmente da Austrália, que traçaram planos para realizar campanhas de vacinação em massa.

Os números de infecções pelo novo coronavírus na China permanecem baixos há vários meses. Houve alguns surtos – concentrados na província de Jilin em maio, um surto em Pequim em junho e outro na capital de Xinjiang, Urumqi, em julho – mas eles foram atendidos com medidas imediatas de bloqueio e testes em massa, e contidos em poucas semanas.

Gao citou esses breves surtos como evidência das medidas eficazes de contenção da China. “Os fatos provaram que temos várias armas mágicas para responder à epidemia”, disse ele, de acordo com o China News Service.

Qualquer vacina potencial será priorizada para aqueles na linha de frente de combate a doença: médicos, cidadãos chineses que trabalham no exterior em locais com circulação do vírus e pessoas que trabalham em ambientes densos e de alto risco, como restaurantes, escolas ou serviços de limpeza, explicou Gao.

No sábado, a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC) registrou apenas 10 novos casos confirmados sintomáticos na China, todos importados do exterior. Também relatou 70 novos casos assintomáticos, que são contados separadamente, todos também importados.

Fonte: CNN Brasil


Ler Anterior

Escolas particulares Justiça libera volta às aulas na rede privada do RJ a partir de hoje

Ler Próximo

Retomada de atendimento presencial do INSS tem filas e reclamações pelo país