China envia ao Brasil insumo para produção de 5 milhões de doses da vacina CoronaVac

O Instituto Butantan prevê a chegada do IFA em São Paulo na segunda-feira (19)

(Foto: Bio-Manguinhos/Fiocruz)

Por redação

A biofarmacêutica Sinovac Life Sciences, responsável pelo desenvolvimento da vacina Coronavac, deu início ao processo de envio de um novo lote da matéria-prima necessária para a produção do imunizante no Instituto Butantan.

Na noite de quarta-feira (14), já quinta-feira (15) no fuso horário chinês, a carga com 3 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) começou a ser preparada para embarcar rumo a São Paulo nos próximos dias.

Em vídeo divulgado pelo governo de São Paulo, três conteiners especiais para transporte do imunizante são levados ao aeroporto para procedimentos de quarentena, desembaraço e segurança. A nova remessa produzirá cerca de 5 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.

Com a preparação do envio ainda nesta semana, o Instituto Butantan prevê a chegada dos insumos em São Paulo na segunda-feira (19). O Butantan já havia anunciado que a expectativa do governo estadual era de que a matéria-prima chegasse até o dia 20 de abril, com isso podendo haver atraso na entrega das 5,3 milhões de doses restantes – previstas originalmente para até 30 de abril – no acordo com o Ministério da Saúde para abastecimento do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Na manhã da última quarta-feira, o governo paulista atingiu 40,7 milhões de doses repassadas ao PNI. As autoridades paulistas, no entanto, informaram que a Coronavac não integrará a logística da nova etapa da campanha de vacinação no estado, que atenderá pessoas entre 60 e 64 anos a partir do dia 29 de abril com o uso exclusivo da vacina Oxford/Astrazeneca produzida pela Fiocruz. Isto se deve ao fato de o Instituto Butantan estar há mais de 15 dias com a produção de vacinas paralisada devido à falta de insumos.

Produção paralisada

No dia 8 de abril o Instituto Butantan havia paralisado a produção da vacina CoronaVac por falta de matéria-prima. Um novo carregamento do insumo chamado IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) estava previsto para chegar da China no dia 9 de abril, mas foi postergado.

O atraso da remessa foi provocado pela intensificação da campanha de vacinação na própria China. Até agora os chineses vinham exportando boa parte de suas vacinas por estarem com o contágio da Covid-19 controlado.

A previsão inicial do Instituto era de que nesta quinta-feira (15) os insumos já estivessem no Brasil para retomada da produção, mas apenas hoje o lote começou a ser preparado para ser enviado. A expectativa era de que 6 mil litros de IFA fossem mandados pela chinesa Sinovac, suficientes para produção de 10 milhões de doses da vacina.


Ler Anterior

Fiocruz entrega 2,2 milhões de doses de vacinas contra covid-19

Ler Próximo

Nove bairros de Natal têm abastecimento de água suspenso emergencialmente