Coronavírus: quarentena provoca redução drástica da poluição na Índia

População do país faz confinamento obrigatório de três semanas

O governo indiano determinou, na semana passada, três semanas de confinamento obrigatório no país, que tem mais de 1,3 bilhão de habitantes. No entanto, uma semana depois, os efeitos são sentidos em outra área relevante para a saúde e o bem-estar da população: os níveis de poluição caíram drasticamente.

A Índia é um dos países do mundo onde mais se sentem os efeitos nefastos da poluição atmosférica. Em 2019, 21 das 30 cidades mais poluídas do mundo eram indianas e, em novembro passado, foi declarada emergência de saúde pública devido aos perigosos níveis de poluição em Nova Delhi.

Agora, as medidas impostas no país para conter o novo coronavírus parecem ter resultado na resolução, ainda que temporária, de um problema premente da poluição na Índia. Na semana passada, diante da ameaça do covid-19, o governo indiano decretou quarentena de três semanas em todo o país para travar a propagação do vírus.

Dias depois, o primeiro-ministro pediu desculpa aos indianos por uma medida “muito dura, mas necessária”, que afeta sobretudo os mais pobres. As ruas encheram-se de pessoas, migrantes que nos últimos dias procuram regressar às aldeias para garantir alimentação durante os dias de quarentena.

As dificuldades do confinamento obrigatório são mais que percetíveis em um dos países mais populosos do mundo. As autoridades estão a usar bastões para impedir a circulação de pessoas. Há relatos de que, mesmo a população que tenta sair à rua para comprar alimentos, é agredida pela polícia. A Índia registra um total de 1.397 casos do novo coronavírus e 35 mortes.

No entanto, mesmo com toda a dificuldade e problemas de manter em casa um país de 1,3 bilhão de habitantes, a resposta ao covid-19 parece ter efeitos colaterais nos níveis de poluição no país, como aconteceu na China e Europa.

Com todas as fábricas, lojas e locais de culto fechados, além da suspensão dos transportes públicos e dos trabalhos de construção, as principais cidades indianas registaram quedas acentuadas e sem precedentes na poluição em menos de uma semana.

Foi registrada queda acentuada nos níveis de partículas PM2.5: entre 20 e 27 de março, houve uma diminuição de 71% nessas partículas altamente prejudiciais à saúde humana em Nova Delhi, de 91 microgramas de partículas por metro cúbico para apenas 26 microgramas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o máximo deve ser de 25 microgramas.

Também o dióxido de azoto caiu 71% na capital indiana, de 52 por metro cúbico para 15 partículas durante o mesmo período. Níveis semelhantes de diminuição da poluição foram registados em outras cidades como Mumbai, Chennai, Calcutá e Bangalore.

“Não vejo um céu tão azul em Delhi há dez anos”, disse Jyoti Pande Lavakare, representante de uma organização ambientalista indiana, a Care for Aid, em declarações à CNN.

Fonte: Agência Brasil


Ler Anterior

Coronavírus: Câmara e Senado enxugam regras e aceleram tramitação de MPs em meio à pandemia

Ler Próximo

Informalidade cai, mas atinge 38 milhões de trabalhadores no Brasil