BUSCAR
BUSCAR
Covid-19: é “quase certo” o surgimento de uma variante capaz de superar vacinas, diz pesquisa
(Foto: Itamar Crispim/Fiocruz)

Uma análise feita por acadêmicos britânicos, publicada pelo grupo consultivo científico oficial do governo do Reino Unido, diz que eles acreditam ser “quase certo” que uma variante do SARS-Cov-2 irá surgir e “levar ao fracasso da vacina atual”. SARS-CoV-2 é o vírus que causa a Covid-19.

A análise não foi revisada por pares, a pesquisa inicial é teórica e não fornece nenhuma prova de que tal variante esteja em circulação agora. Documentos como esse são lançados “como publicações pré-impressas que forneceram ao governo evidências rápidas durante uma emergência”.

O jornal é datado de 26 de julho e foi publicado pelo governo britânico na sexta-feira (30).

Os cientistas escreveram que, como a erradicação do vírus é “improvável”, eles têm “alta confiança” de que as variantes continuarão a surgir. Eles dizem que é “quase certo” que haverá “um acúmulo gradual ou pontuado de variação antigênica que eventualmente levará ao fracasso da vacina atual”.

Eles recomendam que as autoridades continuem a reduzir a transmissão do vírus tanto quanto possível para reduzir a chance de uma nova variante resistente à vacina.

Eles também recomendam que a pesquisa se concentre em novas vacinas que não apenas evitem a admissão hospitalar e doenças, mas também “induzam níveis elevados e duráveis ??de imunidade da mucosa”.

O objetivo, dizem eles, deve ser “reduzir a infecção e a transmissão de indivíduos vacinados” e “reduzir a possibilidade de seleção de variantes em indivíduos vacinados”. A pesquisa já está em andamento em várias empresas que fabricam as vacinas Covid-19 para lidar com novas variantes.

As opiniões foram expressas em um artigo “por um grupo de acadêmicos sobre cenários para a evolução de longo prazo do SARS-CoV-2”, e discutido e publicado pelo Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências (SAGE) do Reino Unido.

Eles escrevem que algumas variantes que surgiram nos últimos meses “mostram uma suscetibilidade reduzida à imunidade adquirida pela vacina, embora nenhuma pareça escapar totalmente”.

Mas eles alertam que essas variantes surgiram “antes que a vacinação se generalizasse” e que “à medida que as vacinas se tornem mais difundidas, aumentará a vantagem de transmissão obtida por um vírus que pode escapar da imunidade adquirida pela vacina”.

Este é um problema sobre o qual o SAGE já havia alertado.

Em minutos de sua reunião de 7 de julho, os cientistas do SAGE escreveram que “a combinação de alta prevalência e altos níveis de vacinação cria as condições nas quais uma variante de escape imunológico é mais provável de emergir.” Ele disse na época que “a probabilidade de isso acontecer é desconhecida, mas tal variante representaria um risco significativo no Reino Unido e internacionalmente.”

Com informações da CNN

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]