Após lockdown, Ceará Mirim diminui taxa de contágio e volta a ser zona segura

Prefeitura de Parnamirim decreta fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos - Foto: Agência Brasil
(Foto: Agência Brasil)

Por redação

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN), publicou dados que confirmam o retorno do município de Ceará Mirim como zona segura no índice de transmissibilidade do Covid-19. A taxa, que antes era de 1.30, agora é de 0.71.

De acordo com o prefeito Júlio César Câmara, a redução dos índices foram resultado de ações contundentes adotadas pela gestão. “Caímos para 0.71 e voltamos para a zona segura, isso demonstra que estamos certos em adotar as medidas que adotamos. Não vamos relaxar, vamos continuar trabalhando para diminuir ainda mais”, afirmou.

O Prefeito fez ainda um apelo para que a população continue respeitando as medidas restritivas. “Pedimos a todos que continuem nos ajudando para que juntos, se Deus quiser, possamos vencer essa doença”, concluiu.

Medidas contra o Covid-19

Durante a segunda onda, Ceará-Mirim foi o primeiro dos 167 municípios potiguares a adotar medidas mais duras para conter o avanço dos casos de Covid-19. O lockdown,  que foi adotado a duas semanas atrás, surtiu o feito esperado reduzindo a circulação de pessoas no município.

Além do cumprimento do calendário vacinal, a Prefeitura elaborou um protocolo rígido para enfrentamento à doença como a criação do Centro Covid, ações de fiscalização pela cidade, distritos e praias; barreiras sanitárias, monitoramento de pacientes, testagem de funcionários dentro das ações da saúde do trabalhador, testagem de casos suspeitos, entre outros.

Apesar de não ser a referência para o tratamento de Covid-19 na região do Mato Grande (que é em João Câmara), o Hospital Percílio Alves recebeu reforço para estabilização e intubação de pacientes, nos casos mais graves.

Antes, a estrutura da unidade contava com apenas um respirador. Atualmente, são 8 aparelhos respiradores (sendo 4 emprestados para o Governo do RN), 4 monitores, 6 bombas de infusão, 5 concentradores de oxigênio para dar todo o suporte necessário, somado ao reforço no fornecimento de oxigênio.