Estoque do kit intubação em município da Grande Natal só dá para 12 horas; secretário pede ajuda a outras cidades

Faltam principalmente sedativos, mas há também poucos relaxantes musculares e anestésicos em São Gonçalo do Amarante

Kit intubação é necessário para sedar pacientes que são submetidos a ventilação mecânica – Foto: Elisa Elsie / Governo do RN

O estoque do chamado “kit intubação” – conjunto de medicamentos usados para intubar pacientes com Covid-19 em estado grave – está no limite em hospitais que compõem a rede pública de saúde no Rio Grande do Norte. Por causa da escassez dos insumos, hospitais começam a não aceitar novos pacientes, mesmo havendo leitos disponíveis.

Em São Gonçalo do Amarante, município da Grande Natal, os dois hospitais que recebem pacientes com Covid-19 em estado grave estão com 5 leitos bloqueados por falta do kit intubação. Faltam principalmente sedativos, mas há também poucos relaxantes musculares e anestésicos. Os três produtos são necessários para realizar o procedimento de intubação nos pacientes que precisam se submeter à ventilação mecânica.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Jalmir Simões, além de não receber novos pacientes, São Gonçalo começa a apresentar dificuldade para manter a sedação dos pacientes já intubados. Ele relata que, nesta terça-feira (4), o estoque do kit intubação no município só é suficiente para atender a demanda pelas próximas 12 horas.

Para recompor o estoque, o secretário recorreu a outras cidades. Ao PORTAL DA 98 FM, Jalmir Simões disse que, na manhã desta terça, conseguiu algumas ampolas de sedativos com outro município, através de intercâmbio. O secretário de Saúde conta que a prática tem sido comum nos últimos dias por causa do aumento da demanda.

A compra dos medicamentos do kit intubação é de responsabilidade de estados e municípios. Contudo, em função da alta expressiva na demanda durante a pandemia de Covid-19, a compra está centralizada no Governo Federal, que faz a distribuição para prefeitos e governadores. O problema, segundo Jalmir Simões, é que os remédios têm chegado a “conta-gotas”.

O secretário de Saúde de São Gonçalo afirmou que a prefeitura tem procurado laboratórios para comprar kit intubação para atender a demanda pelos próximos 90 dias, mas que os fornecedores alegam que não têm condições de entregar os produtos. “O laboratório nos informou que não irá fornecer”, conta.

O envio de produtos pelo Ministério da Saúde está chegando ao Rio Grande do Norte a “conta-gotas”, conta Jalmir Simões. Ele afirma que recebeu esta semana 126 ampolas de 3 ml de sedativos, mas que o volume é muito pouco perto da demanda. Em poucas horas, o produto é consumido.

Perguntado sobre os leitos bloqueados, o secretário respondeu: “O que a gente tem não dá para 12 horas. Temos que tentar salvar quem está lá. Não temos como acolher novos pacientes”, afirma.

Mais cedo, ao PORTAL DA 98 FM, a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) informou que o Rio Grande do Norte recebeu sedativos do Ministério da Saúde nesta segunda-feira (3) e vai repassar aos hospitais nas próximas horas para reativar alguns leitos que estão bloqueados. A Sesap ressaltou, contudo, que recebeu um lote insuficiente para toda a demanda.


Ler Anterior

Hospital de Campanha de Natal completa 1 ano com taxa de altas próxima dos 70%

Ler Próximo

Protestos contra reforma tributária deixam 19 mortos e mais de 800 feridos na Colômbia; ONU condena “uso excessivo de força” policial