Farmacêutica brasileira entra com pedido para uso emergencial da vacina Sputnik V no país

Pedido será avaliado pela Anvisa

Por Redação

A Farmacêutica União Química, em conjunto com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês), comunicou neste sábado (16) que protocolou na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o pedido para uso emergencial da vacina russa Sputnik V. O pedido prevê a disponibilização de 10 milhões de doses do imunizante contra a Covid-19 ainda no primeiro trimestre deste ano.

Segundo o comunicado da farmacêutica, a Sputinik V será produzida nas fábricas da empresa em Brasília/DF e Guarulhos/SP, através de um acordo de transferência de tecnologia firmado com o Fundo Russo.

A Sputnik V foi a primeira vacina contra a Covid-19 a ficar pronta em todo o mundo, ainda em agosto de 2020. De acordo com o Instituto Gamaleya, responsável por desenvolver a vacina, o imunizante foi testado em mais de 40 mil pessoas e apresentou eficácia de 91%. Além da própria Rússia, o uso emergencial do imunizante já foi aprovado em países como Argentina, Bolívia, Argélia, Sérvia e Palestina.

Testes no Brasil

A Anvisa determina que para o pedido de uso emergencial a vacina precisa estar na 3ª fase de testes clínicos no país, requisito que a Sputnik V ainda não cumpre. O pedido para iniciar a fase 3 de testes, aqui no Brasil, foi feito em 29 de dezembro pela União Química. Ontem (15) foi entregue a Anvisa o restante da documentação necessária para conseguir a liberação da testagem.


Ler Anterior

INSS: Termina neste sábado (16) prazo para recorrer de auxílio-doença negado

Ler Próximo

Uso emergencial de vacinas é decidido neste domingo pela Anvisa