Funcionário do Banco do Brasil fazem paralisação hoje em Natal

O objetivo é pressionar o banco a desistir de vez da reestruturação, que prevê o fechamento de 112 agências e o desligamento de 5 mil funcionários durante o primeiro semestre deste ano.

Com a execução do plano bilionário de cortes de custos do Banco do Brasil ainda indefinida, funcionários da estatal se mobilizaram para uma paralisação em todo o País nesta sexta-feira, dia 29. O objetivo é pressionar o banco a desistir de vez da reestruturação, que prevê o fechamento de 112 agências e o desligamento de 5 mil funcionários durante o primeiro semestre deste ano. A economia esperada é de R$ 2,7 bilhões até 2025. No Rio Grande do Norte, o Banco do Brasil prevê findar as operações em três agências: Natal (Av. Amintas Barros com Av. Prudente de Morais; Mossoró (Centro) e Parnamirim (Cohabinal).

Polêmico, o plano quase custou o cargo do presidente da instituição, André Brandão. Logo após o anúncio dos cortes, em 11 de janeiro, o presidente da República demonstrou irritação com Brandão e expressou a interlocutores a intenção de demiti-lo.

O presidente da República reclamava que não havia sido avisado sobre as demissões e o fechamento de agências do banco, em um momento em que o governo também sofria um revês de imagem com o anúncio da saída da montadora Ford do Brasil e o fechamento de outras 5 mil vagas.

Foi preciso que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto – que formam o núcleo duro da área econômica do governo – montassem uma operação para evitar a demissão precoce de Brandão, que estava a menos de quatro meses no cargo. Por enquanto, o executivo permanece no comando do banco, mas seu plano de reestruturação segue ameaçado.

Ao longo desta semana, sindicatos ligados aos bancários em todo o País aprovaram a paralisação dos funcionários do Banco do Brasil nesta sexta-feira. A orientação geral é de que os trabalhadores cruzem os braços, estejam eles em agências ou em home office. Em função da pandemia do novo coronavírus, os protestos presenciais, em frente às agências, devem dar lugar a ações na internet. A participação no ato, no entanto, é uma incógnita. Funcionários que aderirem ao movimento podem ter o dia de salário cortado, o que serve de desestímulo. Tradicionalmente, a adesão não é generalizada.

O Banco do Brasil não se posicionou sobre a paralisação desta sexta-feira até o fechamento deste texto.


Ler Anterior

Caixa Econômica Federal vai abrir 75 novas agências no país

Ler Próximo

Volta de auxílio emergencial ‘vai quebrar o Brasil’, diz Bolsonaro