Gaciba enaltece VAR e diz que reclamações são por desconhecimento de protocolos

Presidente da Comissão de Arbitragem também falou sobre as escalas de árbitros para o Brasileiro

Gaciba enaltece VAR e diz que reclamações são por desconhecimento de protocolos. Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira(12) o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, conversou com o Estadão sobre as polêmicas sobre arbitragem no Brasileiro. Ele considerou corretas todas as decisões do VAR que suscitaram reclamações na rodada e enalteceu o uso da tecnologia: “Ninguém mais fala da decisão técnica. Falam do protocolo, da forma. O índice de erros diminuiu muito, é quase zero”.

Para Gaciba, as reclamações ocorrem por desconhecimento – ou, pelo menos, descontentamento – com o protocolo de uso do VAR. Ele citou as críticas de Renato Gaúcho. “Ele acha que o jogo deveria parar 50 vezes se tivessem 50 situações de pênalti, para o árbitro olhar no vídeo antes de tomar decisão do campo. Mas a CBF segue um protocolo internacional, que a Fifa coloca, que prega que sempre que o árbitro de vídeo concordar com o árbitro de campo, quando não tiver uma imagem conclusiva que contradiga, que ele vai manter a decisão do campo.”

Sobre a liberação dos áudios durante as revisões, pedida pelo presidente do Vasco, Gaciba informou que isso não pode ocorrer por um veto da Fifa. “Existe um documento, e os clubes receberam esse documento, explicando que não pode disponibilizar o áudio em tempo real”, pontuou. “Mas nenhum clube brasileiro, desde o início do projeto, que solicitou à Comissão da CBF ver e ouvir as análises do VAR, teve o acesso negado. Todos que pediram foram atendidos.”

Na avaliação de Gaciba, o VAR está sendo bem utilizado no País e isto está se refletindo no desempenho técnico dos árbitros. “Eu estou muito satisfeito com a melhora do árbitro do campo. O campo está acertando 20% a mais do que o ano passado, isso é muito bom. Tivemos duas rodadas em que o árbitro de vídeo durou muito tempo, mas há seis, sete rodadas, o impacto dele em todos os jogos tem sido de 20 minutos, o que dá mais ou menos dois minutos por jogo. É baixíssimo em relação ao resto do mundo.”

O ex-árbitro também comentou as fortes reclamações de Mano Menezes, cujos impropérios contra a arbitragem foram captados pelos microfones da transmissão de TV durante a vitória do Fluminense por 1 a 0 sobre o Bahia.

“É um consenso da opinião pública: fugiu da curva”, disse. “Mas não quero falar de um caso específico. No meio do futebol como um todo, nós profissionais devemos saber lidar com críticas. E uma orientação que dou a todos meus árbitros é tratar com respeito, esse é o lema. Agora, se eles respeitarem, eles também têm de ser respeitados.”

ESCOLHAS

Quando assumiu a Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba extinguiu o sorteio como critério para definição das equipes que trabalham em cada um dos jogos. “A gente faz uma análise técnica, vê o momento do árbitro, a qualificação técnica pro jogo, a importância na tabela de classificação. São muitos fatores. Fazer uma escala de arbitragem requer muito estudo e temos profissionais para isso. A CBF faz 2.500 escalas por ano, são muitos jogos, e a gente escolhe sempre o profissional mais adequado pro jogo”, comentou.

O dirigente descartou que a comissão receba pressão de qualquer lado ou que aceite “vetos” de clubes na hora de definir os profissionais para cada jogo. “Uma das coisas que norteiam a CBF é a independência do departamento de arbitragem. É uma norma do presidente Rogério Caboclo: nós temos total liberdade para escalar, não temos nenhum tipo de influência da CBF ou dos clubes. Não existe veto.”


Ler Anterior

Natal recebe unidade móvel da Caixa que oferece descontos para quitação de dívidas

Ler Próximo

Testes com vacina de Covid-19 da Johnson & Johnson’s são pausados após doença de participante