Governo do Rio planeja volta do futebol com 50% da capacidade em estádios

A Federação de Futebol do Rio de Janeiro criou recentemente um protocolo próprio para o retorno aos treinos e posterior volta aos jogos

Compartilhe esse post

Governo do Rio planeja volta do futebol com 50% da capacidade em estádios. Foto: Divulgação

FOLHAPRESS

O governador Wilson Witzel (PSC) incluiu em seu pacto social pela saúde e pela economia do Rio de Janeiro um ponto polêmico durante a pandemia do coronavírus: o retorno do futebol. Apesar de se basear em três bandeiras de flexibilização a partir de dados da curva de contágio da Covid-19 e não ter uma data limite, o plano tem gatilhos de flexibilização, e, já na primeira fase, quer o retorno dos eventos esportivos com público de até 50% da capacidade dos estádios.

Nos poucos países onde o futebol já retornou, como na Alemanha, não há presença de público. O pacto feito pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais (Sedeeri) em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, entretanto, já admite a presença de público com distanciamento social de dois metros na “bandeira amarela”, que depende da taxa de ocupação dos leitos de UTI chegar entre 70% e 90% (está atualmente em 86%) e a curva de crescimento de novos casos cair na média semanal.

A inclusão do retorno do futebol no Rio de Janeiro é um aceno ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que vê o “retorno das partidas como um incentivo para as pessoas ficarem em casa”.

“No que depender do Ministério da Saúde, o ministério também é favorável a dar um parecer nesse sentido. Para que a gente possa assistir a um futebolzinho no sábado, domingo, até ajuda a deixar o povo em casa, menos estressado. É muito bom ver futebol”, afirmou.

Ao apresentar o pacto à imprensa e sociedade na quarta-feira (20), no Palácio Guanabara, o secretário responsável pela Sedeeri, Lucas Tristão, abordou apenas a “retomada de shoppings, atividades desportivas e academias com restrições de espaço e protocolos de higiene”.

O reportagem teve acesso ao documento completo, que inclui a aplicação de testes em todos os profissionais envolvidos, além da aferição de temperatura dos torcedores e profissionais de imprensa, além da desinfecção total dos estádios e materiais esportivos.

A Federação de Futebol do Rio de Janeiro criou recentemente um protocolo próprio para o retorno aos treinos e posterior volta aos jogos. Depois, emitiu documento pelo retorno do futebol que teve a assinatura de todos os filiados da primeira divisão com exceção de Fluminense e Botafogo, que são expressamente contrários.

Nesta semana, o retorno das atividades do Flamengo no Ninho do Urubu causou polêmica. Apesar de descumprir um decreto municipal, o clube se disse amparado juridicamente e segue um planejamento de treinos. O Ministério Público do Trabalho abriu um inquérito e pediu explicações ao Rubro-Negro. Questionado sobre a postura do Fla, Witzel colocou a responsabilidade nos dirigentes. O governador tenta empurrar a questão para o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

Jair Bolsonaro já havia colocado a volta do futebol nas mãos de Crivella, que admitiu ter um protocolo que favorece o retorno aos treinos já no dia 25, quando chega ao fim o decreto municipal que impede aglomerações de atividades esportivas. O prefeito, que é favorável à volta do futebol, convidou todos os 16 clubes para uma reunião presencial, no próximo domingo.

“Estamos propondo, no conselho científico, uma estratégia de retorno. Os clubes que puderem obedecer isso, a partir do dia 25 poderão (voltar a treinar). A estratégia é muito rigorosa. No domingo, me reúno com os clubes. Agora, reitero o apelo para que as medidas sejam obedecidas. Se os clubes não respeitam, então as pessoas em casa também ficam desalentadas, desestimuladas a respeitar. As medidas que tomamos são ruins para todos”, disse.

Principal praça esportiva do Rio de Janeiro, o complexo do Maracanã cedeu o Estádio de Atletismo Célio de Barros para a construção do único hospital de campanha do Governo do Estado que já saiu do papel. À época da cessão do espaço para o poder público, a dupla Fla-Flu não via impedimentos de manter jogos e outros eventos esportivos no local apesar do alto índice de contágio à partir da construção da unidade hospitalar.


Compartilhe esse post

Ler Anterior

Leia a íntegra da degravação da reunião ministerial

Ler Próximo

Em vídeo divulgado pelo STF, Bolsonaro diz que tem ‘sistema particular’ de informações que funciona e que o sistema oficial desinforma

Envie uma mensagem para o setor responsável.
WeCreativez WhatsApp Support
98 FM
Pedir Música
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Flávio Amorim
Comercial
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Sheyla
Vendas
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Vanessa
Vendas
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Peça uma Pizza
Acessível