Governo do RN reconhece erro, recua e libera treinos para todos os clubes do Estadual

Nota Técnica será publicada nas próximas horas; resta agora reconhecer que errou ao suspender os jogos do Estadual

O Governo do Rio Grande do Norte libera em Nota Técnica autorizando  o treinamento das seis equipes do Estadual que estavam proibidas de treinar.

Inicialmente o Governo liberou os treinos apenas para ABC e América, alegando que as duas equipes por estarem em competições em nível nacional e regional não poderiam parar. Santa Cruz, Força e Luz, Globo, ASSU, Palmeira e Potiguar seguiam impedidas.

A partir da movimentação dos clubes ( os oito ) e da FNF com uma Nota Pública onde tratavam do cancelamento do Estadual 2021, o cenário começou a mudar e teve o apoio decisivo do Promotor Luiz Eduardo Marinho.

Leia também:

Médico diz que sem aglomeração, futebol não é risco para transmitir Covid-19

Clubes que seguem sem treinar estão mobilizados

ABC e América estão ok! Os outros seis clubes são de que Estado? 

Promotor adverte: ” Sem Nota Técnica do Governo treinos de futebol estão proibidos”

TJ RN nega Liminar e futebol segue parado

Clubes do RN começam dispensar profissionais em razão do Decreto do Governo do RN

TJ RN entende que Medida Cautelar do futebol não é urgente

Exclusivo: Paralisação do futebol pode parar na Justiça

Federação, clubes e entidades lançam nota contra paralisação do futebol

Dirigentes lamentam suspensão do Estadual e presidente do ABC admite renunciar ao cargo

Fato concreto e indiscutível é que o Governo do RN reconheceu o erro primário que cometeu com a liberação parcial dos treinos e recuou depois de causar uma série de constrangimentos para dirigentes e torcedores. Falta ainda reconhecer e recuar em outro erro ainda mais grave, que foi a suspensão dos jogos do Estadual.

O primeiro passo foi dado. Reconheceu que errou e recuou em parte, vamos esperar pela correção no todo.

 

 


Ler Anterior

Bolsonaro oficializa reforma ministerial com seis mudanças

Ler Próximo

O presidente tem a prerrogativa de nomear e demitir seus ministros, diz Rogério Marinho