Governo pede que STF reconsidere suspensão de nomeação de Ramagem para PF

Para o ministro, há indícios de que a nomeação não respeitava os princípios da legalidade, moralidade e impessoalidade. O delegado é amigo da família Bolsobaro

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconsidere a decisão liminar (provisória) que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para ocupar o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

O governo pediu que a Corte libere a validação do ato de nomeação de Ramagem, que é amigo da família do presidente Jair Bolsobaro.

Na semana passada, o ministro do STF Alexandre de Moraes concedeu uma liminar impedindo a posse de Ramagem. Para o ministro, há indícios de que a nomeação não respeitava os princípios da legalidade, moralidade e impessoalidade – o que configura desvio de finalidade.

Ao suspender a nomeação, Moraes levou em consideração o pronunciamento do ex-ministro da Justiça Sergio Moro ao deixar o governo.

Ao anunciar sua demissão, Moro afirmou que Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal. Após a decisão, o presidente afirmou que iria recorrer ao STF para insistir no nome de Ramagem, mas nomeou Rolando Alexandre de Souza para comandar a corporação.

Ao STF, a AGU afirma que, apesar de ter tornado o ato de nomeação de Ramagem sem efeito, a ação apresentada pelo PDT, na qual Moraes decidiu pela suspensão, não perdeu o objeto e, portanto, ainda pode ser discutida pelo Supremo.

O entendimento da AGU contraria o que ministros do STF afirmam reservadamente. Para esses magistrados, não haveria mais o ato a ser discutido.

A AGU argumenta que o presidente da República ainda pretende “ver restabelecida a sua prerrogativa constitucional de indicar o diretor-geral da Polícia Federal sem a restrição outrora imposta”.

Ao Supremo, o governo afirma que não foram apresentadas provas que incluam algum ordem do presidente volta a manipular ou fraudar investigação da PF. Para a AGU, mensagens de aplicativo, “fazendo referências genéricas”, não comprovam irregularidades.

Ao acusar Bolsonaro de tentar interferir na PF, Sergio Moro apresentou troca de mensagens entre os dois em que o presidente cobrou o ex-ministro de mudança no comando da corporação.

“Ademais, é sabido que aplicativos dessa natureza são meios simplificados e informais de comunicação que, fora de contexto, podem ensejar interpretações dúbias. Essa característica dos “bate-papos” hodiernos, feitos em velocidade instantânea, prejudica seriamente a extração responsável de conclusões ou consequências jurídicas”, argumenta a AGU.

A AGU afirma que Ramagem e o atual diretor-geral da PF, Rolando de Souza, possuem todos os requisitos para ocupar o cargo. Acrescenta ainda que não há desvio de finalidade na nomeação de Ramagem. Segundo o governo, impedir Ramagem foi um exercício de futurologia.

“Assim, impedi-lo de exercer o cargo por meras especulações acerca de suposta conduta parcial no exercício das funções, além de ser mero exercício de futurologia, significa puni-lo sem qualquer razão jurídica. Ademais, impedi-lo de ser nomeado significa presumir futura má-fé, absolutamente inadmissível, visto que erigida em completo estado de subversão jurídica, sem falar do intolerável desrespeito ao servidor público federal”, diz a AGU.

Fonte: G1


Ler Anterior

Rodoviários de duas empresas de ônibus de Natal fazem paralisação na manhã desta sexta (8)

Ler Próximo

Mais 30 milhões de pessoas ainda devem entrar na lista do auxílio emergencial de R$ 600