BUSCAR
BUSCAR
“Médica asiática processa homens brancos ricos e privilegiados”
Você não viu título como o deste artigo em nenhum site ativista de esquerda, em nenhuma coluna ou blog de jornalistas militantes. Porque uma manchete tão forte e positiva para o movimento feminista, que se diz defender a mulher, passou em branco para todos esses veículos tão preocupados com justiça, igualdade de gênero e empatia?

O espetáculo desrespeitoso da CPI, que busca impor a vontade dos políticos oportunistas de sempre, criminalizando a medicina, perseguindo conservadores e apoiadores do governo, teve seu apogeu de deselegância no dia 1o de junho. Na ocasião, a Dra Nise Yamaguchi, atuante na linha de frente do tratamento à Covid-19, prestou depoimento diante de uma enxurrada de ofensas à sua carreira de mais de 40 anos como médica e pesquisadora.

Gerando revolta e indignação em grande parte da sociedade e, pasmem, silêncio ensurdecedor por parte das feministas, os senadores praticaram, por horas, o que as militantes marxistas chamariam de “mansplaning” e “manterrupting”, numa postura que elas denunciariam como “machista opressora”. Isso caso as ditas defensoras das mulheres não estivessem em sono profundo durante toda a sessão e estes mais de 20 dias após a realização da mesma.

Cientes desta hipocrisia absoluta e do “machismo do bem”, que, aparentemente, pode ser praticado por alguns iluminados sob permissão das feministas, o fato é que a atitude da Dra Nise é um ótimo exemplo para todas as pessoas comuns que são atropeladas diariamente pelo ativismo covarde de determinados “grupos sociais”, políticos, artistas, influenciadores e jornalistas. Os senadores estão sendo processados por danos morais, mostrando que, para a mulher se defender judicialmente contra ataques verbais de homens sem escrúpulos, já há amparo na lei. Ao contrario do que berram militantes, feministas e políticos de esquerda que usam essa agenda como palanque e ferramenta de patrulha ideológica e criação de leis esdrúxulas e abusivas.

Slogans como o “Mexeu com uma mexeu com todas”, por exemplo, já se provou vazio e hipócrita(mais um). Serve apenas para atacar pessoas que discordam da ideologia de controle de pensamento. Pauta defendida agressivamente por uma minoria barulhenta, que anseia por impor seus desejos nefastos sobre a sociedade. É a famosa indignação seletiva, que berra por punição e cancelamento somente para “machistas”, “racistas” e “homofóbicos” que não fazem parte da patota.

As atitudes dos senadores e o silêncio das feministas são mais dois, entre tantos fatos desta pandemia, que escancaram a hipocrisia absoluta em que vivem políticos e ativistas das “minorias oprimidas”.

Foto no destaque: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]