Milhares de empregos serão perdidos sem Réveillon, alertam hotéis de Pipa

A Associação de Hoteleiros e Pousadas de Tibau do Sul e Pipa (ASHTEP) divulgou uma nota nesta sexta-feira (18) onde faz um alerta para novos prejuízos econômicos causados por decisões judiciais que suspenderam as festas privadas de réveillon no município. A entidade defende a realização dos eventos controlados com rígidos protocolos. Confira a nota abaixo.

É com muita preocupação que recebemos a notícia da decisão judicial que suspende a realização de um evento controlado, com rígidos protocolos, feito para receber turistas que compraram com muita antecedência e programaram suas viagens.

A proteção à vida e à saúde está em primeiro lugar. E nós, que fazemos a Associação de Hoteleiros e Pousadas de Tibau do Sul e Pipa, trabalhamos fortemente perseguindo essa máxima. Seguindo este princípio, defendemos a realização de eventos controlados e a proibição de eventos clandestinos e aglomerações sem controle.

É exatamente por isso que não concordamos com tal decisão, embora respeitemos a Justiça, porque sabemos que eventos controlados e que seguem rígidos protocolos não só sustentam a economia, mas evitam o caos em Pipa.

Tibau do Sul já sofreu fortes perdas econômicas este ano. Foi a primeira cidade a fechar na pandemia e toda a cadeia produtiva do turismo local amargou prejuízos durante os meses principais da crise.

Não é justo que o município que mais se preparou, tendo programado com antecedência a recepção de centenas de turistas e famílias, tenha sua economia novamente impactada negativamente.

Milhares de empregos diretos serão perdidos e centenas de famílias de Tibau do Sul que dependem diretamente destes eventos e do turismo neste final de ano serão prejudicadas.

Tibau do Sul tem particularidades que precisam consideradas. O cancelamento dos eventos controlados em espaços abertos ampliará a aglomeração na rua principal da Pipa e no centro.

Em vez de condenar festas controladas melhor seria, por exemplo, se fiscalizassem eventos clandestinos e as centenas de ônibus que estão programados para trazer milhares de pessoas para passar o dia de reveilon aglomerando ainda mais a rua principal de Pipa.

Esperamos que Ministério Público, Justiça, poder público em todas as esferas, sentem à mesa para entender que o cenário local é mais complexo do que a simples autorização ou não da realização de um evento controlado.

Atenciosamente,  

Wanderson Borges – Associação de Hoteleiros e Pousadas de Tibau do Sul e Pipa – ASHTEP

Fonte: Portal Grande Ponto


Ler Anterior

Unicat registra a falta de 50 medicamentos; A previsão de reposição é a partir da próxima semana

Ler Próximo

Covid-19: Governo do RN apresenta plano e pretende iniciar vacinação em 20 de janeiro