Ministro da Educação nega plágio e diz que, se houver omissões, são ‘falhas técnicas’

O novo ministro da Educação, Carlos Decotelli, disse ontem, em nota publicada pelo MEC, que não cometeu plágios em sua dissertação de mestrado na FGV

Compartilhe esse post

O novo ministro da Educação, Carlos Decotelli, disse ontem, em nota publicada pelo MEC, que não cometeu plágios em sua dissertação de mestrado na FGV (Fundação Getúlio Vargas), e afirmou que, se houver omissões, trata-se de “falhas técnicas”. “O ministro refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência e cujo conhecimento contribuiu sobremaneira para enriquecer seu trabalho. O ministro destaca que, caso tenha cometido quaisquer omissões, estas se deveram a falhas técnicas ou metodológicas”, disse o MEC.

Decotelli informou que revisará o trabalho “por respeito ao direito intelectual dos autores e pesquisadores citados”. O ministro informou ainda que tem “muito orgulho” do curso realizado, “principalmente por ter sido custeado com seus próprios recursos financeiros e pelo fato de ter sido aceito em tão respeitada instituição de ensino no exterior unicamente em função de sua qualificação acadêmica, construída ao longo da vida com muito esforço e dedicação.” A FGV anunciou hoje que irá apurar a denúncia de plágio e que está localizando o orientador do trabalho para buscar informações.

Pelo menos quatro trechos de outras dissertações de mestrado e textos acadêmicos foram copiados por Decotelli na introdução de sua própria dissertação, apresentada em 2008 para a FGV no Rio de Janeiro. O trabalho trouxe o título “Banrisul: do Proes ao IPO com governança corporativa”. O Ministério da Educação se explicou, também, sobre suspeitas de que Decotelli não teria concluído o doutorado em Administração na Universidade de Rosário, na Argentina, entre 2007 e 2009. Segundo a pasta, ele não teve a defesa de sua tese de conclusão de curso autorizada.

“Seria necessário, então, alterar a tese e submetê-la novamente à banca. Contudo, fruto de compromissos no Brasil e, principalmente, do esgotamento dos recursos financeiros pessoais, o ministro viu-se compelido a tomar a difícil decisão de regressar ao país sem o título de Doutor em Administração”, disse o MEC, em nota.

Fonte: UOL

 


Compartilhe esse post

Ler Anterior

Prefeitura do Rio libera jogos com público a partir de 10 de julho

Ler Próximo

Ocupação de leitos cai no RN e índice chega a 82,67%

Envie uma mensagem para o setor responsável.
WeCreativez WhatsApp Support
98 FM
Pedir Música
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Flávio Amorim
Comercial
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Sheyla
Vendas
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Vanessa
Vendas
Acessível
WeCreativez WhatsApp Support
Peça uma Pizza
Acessível