Pacientes são transferidos de hospital de Ceará-Mirim por falta de oxigênio

Pacientes internados no Hospital Municipal Dr. Percilio Alves, em Ceará-Mirim, na Grande Natal, viveram uma situação de apreensão entre a madrugada e a manhã deste sábado (20). A unidade de saúde teve que transferir pacientes para outros hospitais do estado por oxigênio suficiente para atender à demanda.

A diretora do hospital, Jumaria Mota, informou que nenhum paciente ficou sem oxigênio, mas disse que os que estavam em estado mais grave e que necessitam de mais gás foram transferidos para que o insumo não acabasse. A unidade funcionava com 3 cilindros para cada 5 horas, mas o consumo foi triplicadodurante a pandemia.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), o Hospital Municipal Dr. Percílio Alves foi abastecido pelo fornecedor municipal no final da manhã de sexta (19), no entanto, a quantidade estimada para durar até as 13h de hoje durou somente até as primeiras horas da manhã por causa do alto consumo.

“Diante do quadro, a Sesap articulou uma força-tarefa para remoção de sete pacientes, sendo seis em máscaras de alto fluxo de oxigênio e um recém-nascido. Quatro dos pacientes foram regulados para a rede estadual: hospitais Alfredo Mesquita, em Macaíba, Maria Alice Fernandes, em Natal, e Josefa Alves Godeiro, em João Câmara. Os outros dois pacientes foram encaminhados a unidade de pronto atendimento de Natal”, informou a pasta.

A pasta afirmou ainda que está prestando suporte diário ao município de Ceará-Mirim e a outras cidades da região quanto ao abastecimento de oxigênio. “Desde o dia 16, foram enviados 31 cilindros a Ceará-Mirim, dez a Guamaré e dois a Taipu, entre outras cidades em todo o estado”.

Neste sábado (20), o governo estadual impetrou uma ação na Justiça requisitando que a White Martins,  responsável pelo fornecimento de o oxigênio à rede estadual de hospitais, seja obrigada a acrescer em 25% o volume de gás fornecido, para auxiliar os municípios que estão passando por dificuldade.

Com informações complementares do G1 RN


Ler Anterior

Federação,clubes e entidades lançam nota contra paralisação do futebol

Ler Próximo

Ministério da Saúde autoriza mais de 2,7 mil leitos de UTI para RN e mais 21 estados