BUSCAR
BUSCAR
Para evitar racionamento de energia governo decide antecipar operação de novas usinas

Na corrida para evitar um racionamento nos moldes daquele de 2001, o governo federal está acelerando a entrada em operação de algumas usinas e linhas de transmissão. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) tem rodado o setor para tentar antecipar o funcionamento do máximo possível de usinas e linhas de transmissão no sistema elétrico brasileiro. Em agosto e setembro, foram autorizados 2.354 megawatts (MW) de potência instalada. Para evitar um apagão , o País de gerar entre 4 mil e 5 mil MW de energia, além do volume previsto.

O montante pode ser obtido através da redução voluntária de consumo, que até dia 10 de setembro somava 237 MW de oferta das empresas – ou pelo aumento da oferta de energia. “Nesse sentido, a Aneel ‘tem se virado nos 30’ para conseguir elevar o volume de energia do sistema e inibir a demanda com bandeiras tarifárias”, afirma o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires .

Na semana passada, a agência autorizou o início de operação da segunda maior térmica do País , com capacidade de 1,3 mil MW. A usina antecipou em cinco meses a entrada do seu funcionamento por causa da situação crítica do sistema elétrico nacional, com queda acelerada dos reservatórios das hidrelétricas. O sistema Sudeste / Centro-Oeste está com 17,79% de armazenamento.

No mês passado, a Aneel já havia adiantado em quase um ano uma operação de quatro usinas fotovoltaicas do parque Terra do Sol , obrigatório no município de Oliveira dos Brejinhos , no Estado da Bahia . As usinas, de propriedade da gestora Pátria , têm capacidade para gerar 190 MW. Além disso, antecipou em 163 dias a linha de transmissão de Bom Jesus da Lapa – Janaúba – Pirapora , que possibilitará o intercâmbio de 1.300 MW de energia entre o Nordeste e o Sudeste .

Para as próximas semanas, outras usinas estão previstas para começar a funcionar. A Aneel autorizou testes de uma série de eólicas e de térmicas movidas a biomassa. Uma delas é uma unidade da Bracell – uma das maiores produtoras de celulose do mundo. Com três turbogeradores, uma empresa vai produzir 420 MW de energia, sendo parte para suprir a demanda da fábrica, e entre 150 MW e 180 MW para o sistema elétrico nacional.

As eólicas também continuarão reforçando o sistema nacional. Segundo dados da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) , a expectativa é de antecipar cerca de 600 MW de energia neste ano. A previsão inicial era de entregar 2,5 mil MW, mas devido à escassez de água nos reservatórios devem entrar em operação 3,1 mil MW.

Pelas marcam do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) , para não ter déficit de energia em outubro e novembro, o País necessariamente de uma oferta adicional de 4.800 MW médios entre este mês e novembro. Esse total inclui uma entrada em operação das térmicas Cuiabá, Uruguaiana, Termonorte 1 e Termonorte 2 , além de usinas que estava com restrição judicial. No início do mês, uma Aneel fez uma revisão do chamado Custo Variável Unitário (CVU) da produção das usinas para permitir uma operação. Outra medida é o aumento da importação de energia dos países vizinhos. Ontem, por exemplo, o Brasil importou cerca de 2 mil MW da Argentina e do Uruguai .

Em apresentação feita aos agentes do mercado, o ONS destacou que “o atendimento energético de 2021 depende da efetividade das medidas em andamento para a viabilização de oferta adicional e para a redução voluntária do consumo”. “Já o atendimento à demanda de ponta em 2021 implica, além da efetividade das medidas em andamento, a necessidade de utilização parcial da reserva operativa (fatia de geração usada controlar para frequência e compensar desequilíbrios entre carga e geração).”

Segundo especialistas, os esforços devem surtir efeito, pelo menos, para evitar um racionamento.

Fonte: Estadão


WHATS 98 FM

Quer receber notícias na palma da sua mão? É muito fácil. Para ficar bem informado, mande um “oi” agora mesmo para o nosso WhatsApp e fique atualizado.

Fale conosco: 99998-9898

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]