Proibição de Missas e Cultos? — 50 vezes liberdade!

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Por Renato Cunha Lima Filho

Triste constatar que em pleno 2021 não somos livres. Certa vez a filósofa e escritora Ayn Rand definiu assim a liberdade: “Não pedir nada. Não esperar nada. Não depender de nada.”

Neste sentido, constatando que nosso povo pede por auxílio emergencial, espera por vacinas e que para tanto depende de governos, não somos livres.

Falando em governos, nada pode ser mais ameaçador a liberdade, já que possuem o monopólio legal sobre o uso da força contra as pessoas legalmente desarmadas e em nome do tal “bem comum”, o cidadão está acorrentado.

Liberdades conquistadas ao longo de milênios estão sendo cerceadas com a justificativa falsa da proteção coletiva a saúde. A pandemia no Brasil tem justificado violências absurdas a liberdade e aos direitos individuais.

O voto enfadonho, de cunho político, do ministro Gilmar Mendes, no julgamento que decidirá sobre a possibilidade de governadores e prefeitos proibirem missas e cultos presenciais foi de engulhar o estômago.

Não seriam os templos evangélicos e igrejas católicas as culpadas pela proliferação do vírus do Covid 19, sobretudo quando aferem a temperatura dos presentes, exigem o uso de máscaras e atendem ao distanciamento social.

Essa ideia de estado tutor, tão defendida pelos socialistas, pode hoje ser percebida na pele de todos e duvido que alguém esteja satisfeito com o poder público ditando regras que lhes restrinjam até o direito de ir e vir.

Na Bíblia encontrei cerca de 50 citações a palavra liberdade, nela destaco Gálatas 5:1 “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.”

A fé em Cristo sempre foi uma ameaça aos interesses opressores, antes mesmo da pandemia os cristãos sempre foram perseguidos, a exemplo recente das igrejas incendiados no Chile, do atentado terrorista na França e dos assassinatos de cristãos na África e Ásia.

Ao longo da história da humanidade incontáveis pessoas doaram suas vidas em nome da liberdade, a exemplo do anônimo chinês que desapareceu depois enfrentar tanques da ditadura comunista na Praça da Paz Celestial em Pequim.

O próprio Jesus Cristo personifica, como homem e como divino, a doação da própria vida em pró da liberdade de toda a humanidade, em todos os tempos.

Jesus ofertou a resiliência na esperança de uma outra vida aos homens e mulheres. Uma vida que não está sujeita as leis dos governantes e reis, mas somente a Deus.

A fé liberta a alma, o pensamento liberta o ser, a palavra liberta o mundo. Neste sentido há muitos anos escrevi:

— Como se expressar livre, senão aprisionado as palavras? Em verdade, essa necessidade não tem os pássaros, eles voam…

E aproveitando o poeminha do contra do imortal Mário Quintana, concluo:

“Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!”


Ler Anterior

Secretaria de Tributação do RN adota novo método para determinar os preços dos combustíveis

Ler Próximo

Anvisa aprova ensaio clínico para desenvolvimento de nova vacina contra a Covid-19