‘PT instituiu a corrupção como política de Estado’, afirma deputado em voto para abrir CPI da Covid-19 no RN

Deputado estadual José Dias (PSDB) – Foto: João Gilberto / ALRN

O deputado estadual José Dias (PSDB), que faz oposição à governadora Fátima Bezerra na Assembleia Legislativa, afirmou nesta terça-feira (20) que o PT, partido da governadora, “instituiu a corrupção como política de Estado”. A declaração aconteceu durante sessão para votar a abertura dos trabalhos da CPI que vai apurar gastos do governo Fátima Bezerra durante a pandemia de Covid-19.

A fala foi uma resposta à deputada governista Eudiane Macedo (Republicanos), que durante sessão na Assembleia insinuou que deputados da oposição teriam desistido de abrir a CPI da Covid-19 na Casa se a governadora tivesse aceitado “negociar” com os parlamentares.

Decano da Assembleia, o parlamentar de 82 anos disse ter ficado “chocado” com as declarações de Eudiane Macedo, mas que não se sentiu “pessoalmente ofendido”. Mesmo assim, ele rebateu as insinuações. José Dias aproveitou para sugerir que, diferentemente do que acusa a deputada Eudiane Macedo, parlamentares governistas podem ter recebido contatos de pessoas do governo para defender a não instalação da CPI.

“É claro que eu não me sinto pessoalmente ofendido, porque eu tenho uma história, e a deputada devia reconhecer. Eu rompi com governos que eu ajudei a eleger. Nunca aderi. Não recebi telefonema de secretários do governo não, mas alguns deputados receberam (em tom de ironia)”, enfatizou.

O deputado estadual associou a denúncia da deputada Eudiane Macedo ao caso do Mensalão, que explodiu durante o governo Lula. “Eu digo a vossa excelência: quem criou o Mensalão, e uma criação diabólica, foi o PT. Temos que pelo menos conhecer a história recente anosa história política. Quem instituiu como política de Estado a corrupção foi o PT”, finalizou.


Ler Anterior

Sammy Lee anuncia separação de Pyong após traição em reality da Record

Ler Próximo

Douglas Souza, do vôlei, viraliza com posts engraçados na Olimpíada de Tóquio: ‘Parece de papelão’