RN exporta menos, mas registra saldo positivo na balança comercial

Foto: ASSECOM/IDIARN

A balança comercial do Rio Grande do Norte encerrou 2020 com um saldo positivo. O superávit é de US$ 159,4 milhões, 42% menor que o de 2019, que foi de US$ 226,9 milhões, mas ficou acima dos saldos dos três anos anteriores. Em relação a 2019, somente as importações registraram alta. Os valores do saldo e das exportações foram menores que o período anterior.

O Rio Grande do Norte exportou um volume de US$ 339,9 milhões – uma redução de 13,9% em valores, na comparação com os resultados de 2019. A fruta fresca continua sendo o carro chefe das exportações potiguares e teve uma queda de 18,5% em doze meses, atingindo um total de US$ 95,2 milhões. Em 2019, as exportações da fruta somaram quase US$ 117 milhões. Os dados foram divulgados pelo Sebrae no Boletim de Comércio Exterior.

O segundo item mais vendido no mercado internacional foi o óleo combustível, cuja negociação chegou a US$ 58,6 milhões, seguido das melancias frescas, com volume de US$ 32,5 milhões, e, depois, o sal (US$ 28,5 milhões). Esses produtos tiveram como principais destinos os Estados Unidos, Cingapura e Holanda, que foram os três principais parceiros comerciais do Rio Grande do Norte em 2020.

Os Estados Unidos representaram 18% de todas as exportações do Rio Grande do Norte. Um dos destaques é a entrada de Cingapura entre os principais parceiros internacionais do estado, já que o país comprou mais de US$ (FOB) 58 milhões exclusivamente de um único item, o óleo combustível, o que resultou em sua segunda colocação no ranking dos destinos de exportações potiguares no último ano.

Por outro lado, as importações anuais tiveram um crescimento em 2020 e registraram uma alta de 7,4% em relação a 2019, passando de US$ 167,9 milhões para US$ 180,3 milhões. Com isso, o Rio Grande do Norte teve o terceiro maior crescimento nas importações entre os estados nordestinos, ficando atrás apenas do Piauí e de Alagoas. Os três principais países de origem dos produtos importados pelo RN no último ano foram, respectivamente, a Argentina, os Estados Unidos e a China.

A alta nas importações foi puxada pela compra de trigo e misturas com centeio, que são importados principalmente da Argentina. Esse item somou um total de US$ 59,9 milhões da pauta importadora potiguar. O segundo item mais comprado no mercado internacional foi o coque de petróleo (US$ 4,2 milhões), seguido do polietileno (US$ 4,1 milhões).


Ler Anterior

Mais de 1 milhão de pessoas já foram vacinadas contra a Covid-19 no Brasil

Ler Próximo

Nova pesquisa destaca efeitos da Ivermectina no tratamento da Covid-19