BUSCAR
BUSCAR
RN registra saldo de 4.782 carteiras de trabalho assinadas em junho; o melhor dos últimos 7 anos
(Foto: Agência Brasil)

Após a criação de 1.866 vagas com carteira assinada em maio, o mercado de trabalho formal no Rio Grande do Norte acelerou no mês passado e fechou com um saldo positivo de 4.782 carteiras assinadas em junho. No mês, foram 15.004 admissões e 10.222 desligamentos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta quinta-feira (29) pelo Ministério da Economia. O resultado é o melhor para o mês de junho, considerando a série histórica do Caged, iniciada em 2004. Os melhores saldos para o mês de junho tinham sido registrados em 2004 (+3.938); 2008 (+3.913) e 2010 (+3.279).

Análise feita pelo Caged para os últimos 13 meses (de junho de 2020 a junho de 2021) mostra que a geração de vagas no mês passado também foi a mais alta desde agosto de 2020, quando o saldo entre admissões e demissões foi de 5.911. No mês, o RN teve o quinto melhor saldo de emprego entre os estados do Nordeste, sendo superado pelo Ceará (+9.717); Bahia (+7.604); Maranhão (+6.745) e Pernambuco (+6.526). O saldo de 4.782 vagas verificado em junho é 273,5% maior que o de junho do ano passado, quando RN gerou apenas 1.280 novos postos de trabalho. No comparativo com maio, o crescimento do saldo em junho foi de 156,27%.

No acumulado do ano, o mercado de trabalho no RN soma 12.311 vagas formais abertas, resultado de 86.551 admissões e 74.240 desligamentos. No primeiro semestre do ano passado, o Estado registrou uma perda de 18.526 postos.

A abertura líquida de vagas de trabalho com carteira assinada no Estado, em junho, foi novamente puxada pelo desempenho do setor de serviços, com a criação de 2.068 postos formais, seguido pela agropecuária que gerou 1.147 novas vagas, e pelo comércio, que fez 1.005 novas contratações. Já a indústria geral abriu 399 vagas em junho e a construção civil, 163.

De acordo com a análise ‘Mapa do Emprego’, elaborada pelo  Sebrae/RN, os pequenos negócios foram os maiores geradores de emprego do primeiro semestre de 2021. Juntas, as microempresas e empresa de pequeno porte responderam por 17.360 novos postos de trabalho, sendo mais de 15,7 mil apenas nas microempresas. Já as médias e grandes empresas registraram déficit de vagas no semestre. As médias tiveram saldo negativo em 4.401 empregos e as grandes, em 805 vagas.

De acordo com o Mapa do Emprego, as oportunidades de novos empregos formais ao longo dos últimos seis meses surgiram principalmente nos municípios de Natal (5.500), Parnamirim (2.546), Mossoró (1.351.) e Caicó (509). No ranking das cidades onde houve mais demissões, a liderança no número de desligamentos no semestre ficou com Baía Formosa (-1.103), seguida de Arêz (-718), Apodi (-559) e Baraúna (-397).

Desempenho nacional

No sexto mês do ano, todas as 27 Unidades da Federação obtiveram resultado positivo no Caged. O melhor desempenho foi registrado em São Paulo novamente, com a abertura de 105.547 postos de trabalho. Já o menor saldo foi o do Amapá, que registrou a criação de 377 vagas em junho. O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada passou de R$ 1.807,88, em maio, para R$ 1.806,29 em junho.

No cômputo geral, no País, após a criação de 276.043 vagas em maio (dado revisado nesta quinta-feira), o mercado de trabalho formal brasileiro registrou um saldo positivo 309.114 vagas em junho, de acordo com os dados do Caged. O resultado do mês passado decorreu de 1,601 milhão de admissões e 1,291 milhão de demissões. Em junho do ano passado, em meio à primeira onda da pandemia de covid-19 no País, houve fechamento de 30.448 vagas com carteira assinada.

No acumulado do primeiro semestre de 2021, ao saldo do Caged já é positivo em 1,536 milhão vagas. Nos seis primeiros meses do ano passado, houve destruição líquida de 1,198 milhão postos formais.

O estoque de empregos formais no País, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, chegou a 40.899.685, em junho, o que representa uma variação de 0,76% em relação ao mês anterior. No RN, esse número é de 444.552 empregos.

Desempenho

Saldo de empregos

Acumulado 2021 (até o mês de junho)

RIO GRANDE DO NORTE

à Admissões : 86.551

à Desligamentos: 74.240

à Saldo: 12.311

 

NORDESTE

à Bahia (+70.150)

à Ceará (+33.256)

à Maranhão (+20.010)

à Pernambuco (19.463)

à Piauí (+14.821)

à Rio G. do Norte (+12.311)

à Paraíba (+7.293)

à Sergipe (+887)

à Alagoas (-5.565)

 

Junho 2021

RIO GRANDE DO NORTE

à Admissões: 15.004

à Desligamentos: 10.222

à Saldo: 4.782

 

NORDESTE

à Ceará (+9.717)

à Bahia (+7.604)

à Maranhão (+6.745)

à Pernambuco (+6.526)

à Rio G. do Norte (+4.782)

à Alagoas (+4.651)

à Piauí (+4.597)

à Paraíba (+3.265)

à Sergipe (+1.107)

 

Por setor da economia

Acumulado 2021

à Serviços (+9.360)

à Comércio (+3.775)

à Construção (+1.700)

à Indústria (+942)

à Agropecuária (-3.466)

 

Junho 2021

à Serviços (+2.068)

à Agropecuária (+1.147)

à Comércio (+1.005)

à Indústria (+399)

à Construção (+163)

 

Municípios que criaram mais postos de trabalho

Acumulado 2021

Natal (+5.500)

Parnamirim (+2.546)

Mossoró (+1.351)

Caicó (+509)

 

Empregos gerados por porte da empresa 

Acumulado 2021

Microempresa (+15.707)

Grande Empresa (+805)

Pequeno Porte (+1.653)

Média Empresa (-4.401)

 

Fonte: Caged/Ministério da Economia 

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]