BUSCAR
BUSCAR
Shape do skate usado por Rayssa Leal na conquista da prata será exposto em museu com relíquias olímpicas

As relíquias são uma centelha capaz de provocar sentimentos, trazer inspiração e fazer com que a gente viva de novo momentos que estavam perdidos na nossa memória. Muitas vezes, as lembranças são muito maiores do que o próprio objeto. Eles contam histórias sem precisar de palavras.

Por isso, o Comitê Olímpico Internacional montou uma força-tarefa para resgatar objetos que contaram a história das Olimpíadas de Tóquio ainda no calor da competição. As caçadoras de tesouro do COI não se concentram nas estrelas. Também estão atentas a surpresas e a quem chega fazendo barulho.

Como Rayssa Leal. A brasileira de 13 anos doou o shape do skate com que ganhou a medalha de prata. O skate tem um valor ainda maior pelo pioneirismo.

“Foi uma honra ter recebido o convite para doar meu skate para o museu, porque muita gente vai ver que eu fiz parte da história do esporte olímpico. Todo mundo, principalmente as meninas e as crianças que visitarem o museu, vão saber que uma brasileira, nordestina, com 13 anos, ganhou uma medalha olímpica na estreia do skate como modalidade nos Jogos”, comemora Rayssa.

A roupa com que nadou Ahmed Hafnaoui, uma das grandes surpresas das Olimpíadas de Tóquio, também ficará exposta no museu do COI em Lausanne, na Suíça. O vencedor dos 400m livre não estava nem entre os 15 melhores do mundo quando chegou às Olimpíadas. O tunisiano de 18 anos, instantaneamente, virou parte da história olímpica.

Com informações G1

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
[email protected]