STF autoriza acesso ao vídeo da reunião ministerial citada por Moro em depoimento

Exibição do material será feita em uma única vez, em data a ser definida, para o ex-ministro Moro, para o Advogado-Geral da União e para o Procurador-Geral da República

O Supremo Tribunal Federal permitiu que o Procurador-Geral da República, o ex-ministro Sérgio Moro, a delegada da Polícia Federal responsável pelo caso e o Advogado-Geral da União tenham acesso à gravação de uma reunião citada na Justiça por Moro.

Na decisão divulgada neste sábado (9), o relator do caso, ministro Celso de Mello, disse que a o material será exibido uma única vez, em Brasília, em uma data a ser definida pela delegada Christiane Corrêa Machado.

Celso de Mello ressalta que o sigilo pontual e temporário continua e que o material está lacrado e protegido dentro do gabinete dele. O decano da Corte informou também que vai decidir “em momento oportuno, sobre a divulgação total ou parcial” da reunião.

Investigações

Sergio Moro anunciou a demissão do cargo em 24 de abril. No anúncio, acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal. Diante das declarações, a Procuradoria Geral da República pediu, e o STF abriu um inquérito para investigar as acusações. Bolsonaro nega ter cometido irregularidades.

Moro prestou depoimento de mais de oito horas, no último dia 2, na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba. Ele foi questionado sobre as acusações de que Bolsonaro tentou interferir no trabalho da Polícia Federal (PF) e em inquéritos relacionados a familiares. As acusações foram feitas pelo ex-ministro quando ele anunciou sua saída do governo, em 24 de abril.

O depoimento de Moro foi motivado por inquérito aberto pelo ministro Celso de Mello, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), a fim de apurar se Bolsonaro tentou interferir politicamente na PF.

Essa suposta interferência foi a razão apontada por Moro em pronunciamento para ter deixado governo. O ex-ministro fez esse anúncio quando o “Diário Oficial da União” publicou a exoneração do diretor-geral da PF, delegado Mauricio Valeixo. Segundo o ex-ministro, ele não tomou conhecimento prévio da demissão do diretor.

Fonte: G1

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil


Ler Anterior

Coronavírus: STF também decreta luto em respeito a brasileiros mortos pela covid-19

Ler Próximo

Coronavírus: São Gonçalo do Amarante vai multar em R$ 120 quem não usar máscara