Antes de evento com Lula, seguranças recolhem cartazes em protesto contra governador do Ceará

Presidente Lula assina ordem de serviço do ramal do Salgado e visita obras da Transnordestina. Foto: Reprodução

Servidores da Educação do Ceará e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE) tiveram cartazes de protesto recolhidos pelo Cerimonial e pela Segurança da Presidência da República, em Iguatu. Os profissionais cearenses protestavam contra o governador Elmano de Freitas (PT) e cobravam melhores condições para as categorias durante a visita do presidente Lula (PT) ao Ceará, nesta sexta-feira (5), para acompanhar as obras da ferrovia Transnordestina.

Parte do material do protesto dos servidores do Detran-CE foi barrado logo na entrada pelo cerimonial. Em seguida, um agente da segurança reconheceu o material dos profissionais da educação que estavam próximos ao palco do evento. Outros grupos que carregavam faixas exaltando algumas lideranças políticas regionais também entregaram o material.

Em entrevista ao Diário do Nordeste, um agente da Segurança que retirou os cartazes justificou a medida.

“O Cerimonial informou que não pode (entrar com cartaz) pelo ambiente em si, porque ‘polui’ o ambiente, e para nós da segurança é porque (o cartaz) tapa a cara da pessoa, caso a pessoa resolva fazer algo contra (as autoridades). Mas, quando eles (os manifestantes) saírem, os cartazes vão estar lá (na entrada)”, concluiu.

Servidor do Detran-CE, Da Silva disse que respeita a decisão da equipe de segurança, mas lamentou o episódio.

“Não estamos aqui para tumultuar, como dito, estamos aqui para chamar a atenção e sensibilizar o governador e, quem sabe, até o presidente da República, se for o caso, para que eles vejam de fato a nossa luta, que não é só por nós, mas é por nós, por nossos familiares e também pela população cearense, que merece um trabalho de qualidade”, disse.

EM DEFESA DA CATEGORIA

O manifestante também criticou os obstáculos na negociação de reajuste para a categoria. 

“Nós já tentamos várias vezes negociar, até mesmo antes de declararmos a greve, já tentamos contato com o Governo, mas, infelizmente, em nenhum momento obtivemos êxito. Foi pronunciado que viria o movimento grevista, foi decidido legalmente em assembleia e, infelizmente, a última saída foi essa, entramos em greve”, disse.

Fonte: Diário do Nordeste