Caso brigadeirão: polícia tenta rastrear gastos de suspeita de matar namorado

Luiz Marcelo Ormond e Júlia Cathermol. Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro pediu medidas cautelares para detectar as movimentações financeiras da psicóloga Júlia Andrade Cathermol, suspeita de matar o empresário e namorado Luiz Marcelo Antônio Ormond.

Segundo o delegado Marcos Buss, titular da 25ªDP (Engenho Novo), ela se apropriou de bens e de quantias em dinheiro da vítima.

De acordo com a polícia, até a manhã desta segunda-feira (3) não havia pistas do paradeiro de Júlia.

Nesta segunda (3), dois funcionários de uma farmácia prestaram depoimento e disseram que o remédio foi vendido para Júlia mediante apresentação de receita médica. Eles se comprometeram a levar o documento na delegacia posteriormente.

Segundo a polícia, a suspeita é que Júlia comprou o remédio controlado para colocar no brigadeirão dado à vítima antes da sua morte.

A polícia destaca que alguns bens de Luiz Marcelo já foram recuperados. “Já recuperamos alguns bens da vítima, o automóvel da vítima, devo me preocupar com a localização dessas armas, que podem ou não estar na posse da Júlia”, destacou Buss.

Júlia Andrade Cathermol Pimenta é procurada pela morte do namorado, o empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond — Foto: Reprodução

Júlia Andrade Cathermol Pimenta é procurada pela morte do namorado, o empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond — Foto: Reprodução

Presa suspeita de participação no crime

Para a polícia, Suyany Breschak, mulher que se apresenta como cigana e que está presa, já sabia do planejamento do crime antes da morte do empresário, e teria se beneficiado posteriormente.

“Há elementos que indicam que a Suyany foi a destinatária de todos os bens do empresário após a morte dele”, afirmou o delegado.

Em depoimento, Suyany disse que Júlia possuía uma dívida com ela de R$ 600 mil.

Ex de Suyany é ouvido

Também foi ouvido nesta segunda-feira (3) na delegacia Orlando Neto, que se identifica como cigano e é ex-marido de Suyany. Orlando alega que ela teria tentado sequestrá-lo e ameaçado envenenar seus dois filhos.

Suyany foi presa temporariamente e é considerada suspeita de ser mentora intelectual da morte de Luiz Marcelo Antônio Ormond.

Orlando alega ainda que recebeu um áudio e prints que davam conta que Suyany estaria vendendo o carro de Luiz Marcelo, além das armas que também estavam no veículo.

Etevaldo Tedeschi, advogado de Suyany, diz que a cliente teve qualquer participação na morte de Luiz Marcelo.

Ele afirmou que Suyany recebeu o carro como um presente de Júlia, para pagar uma consulta espiritual. O advogado também disse que não ouviu a vítima falar sobre uma dívida de R$ 600 mil de Júlia com ela.

“O objetivo era fazer um trabalho espiritual, e esse trabalho espiritual era para que a Júlia pudesse encontrar o amor da vida dela. E me parece que a vítima era bastante generosa. Penso que o interesse da Suyany era que o relacionamento desse certo e fosse longo e duradouro”, ponderou.

Fonte: g1