Congresso mantém veto de Bolsonaro a lei que puniria fake news em eleições

A decisão dos parlamentares impediu a retomada de uma pena de prisão de um a cinco anos e multa no caso de "comunicação enganosa em massa". Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
A decisão dos parlamentares impediu a retomada de uma pena de prisão de um a cinco anos e multa no caso de "comunicação enganosa em massa". Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

O Congresso Nacional manteve nesta terça-feira (28) veto do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que impediu punir quem espalhar fake news durante as eleições.

A decisão dos parlamentares impediu a retomada de uma pena de prisão de um a cinco anos e multa no caso de “comunicação enganosa em massa”.

Com o veto, deixa de ocorrer a inclusão de uma lista de “crimes contra a democracia” no Código Penal. De 2021, os vetos foram analisados somente nesta terça, quase três anos depois.

A comunicação enganosa em massa era definida pelo texto como “promover ou financiar campanha ou iniciativa para disseminar fatos que sabe inverídicos, e que sejam capazes de comprometer o processo eleitoral”.

À época em que rejeitou os crimes contra a democracia, Bolsonaro argumentou que o texto não deixava claro o que seria punido – se a conduta de quem gerou a informação ou quem a compartilhou. Segundo ele, tipificar o crime poderia “afastar o eleitor do debate público”.

Fonte: g1