Direita predomina na Europa após derrotas nos governos francês e alemão

Europa é considerada o novo epicentro da Covid-19 - Foto: Freepik
Europa é considerada o novo epicentro da Covid-19 - Foto: Freepik

A direita saiu como a grande vitoriosa das eleições para o Parlamento Europeu, finalizadas neste domingo (9). Segundo as projeções atualizadas às 21h pela comissão eleitoral, o Partido Popular Europeu manteve a maior bancada no Legislativo da União Europeia e conquistou mais 13 cadeiras, ficando com 189 deputados.

Outros grupos nacionalistas avançaram no parlamento. Ganharam assentos o Identidade e Democracia e os Reformistas e Conservadores Europeus. Com a nova composição, os deputados de direita e centro-direita serão 402 do total de 720, domínio de 56%. Eram 396 antes.

De centro-direita, o Partido Popular Europeu é o mesmo de Ursula von der Leyen, atual presidente da Comissão Europeia. O resultado favorece a sua reeleição. O bom desempenho dos grupos de direita é uma derrota para os governos francês e alemão.

Como reação, o presidente da França, Emmanuel Macron, dissolveu o parlamento como resposta e convocou novas eleições. Já o primeiro-ministro da Bélgica, Alexander De Croo, anunciou a sua renúncia ao cargo.

A eleição consolida uma série de vitórias da direita ou da centro-direita na Europa. É um dos resultados mais expressivos do grupo desde a fundação da União Europeia. Veja as vitórias recentes abaixo:

  • Grécia – Nova Democracia (Centro-Direita);
  • Bulgária – GERB (Direita);
  • Espanha – PP (Centro-Direita);
  • Hungria – FIDESZ (Direita);
  • Finlândia – KOK (Direita);
  • Croácia – HDZ (Direita);
  • França – RN (Direita);
  • Áustria – FPO (Direita);
  • Alemanha – CDU (Centro-Direita).

O Renovar a Europa, de Macron, caiu de 102 para 93 cadeiras no Parlamento Europeu. Já o nacionalista Identidade e Democracia cresceu de 49 para 58 eurodeputados, segundo as parciais.

A esquerda e centro-esquerda, por outro lado, perdeu espaço. O 2º partido mais forte do Parlamento Europeu continuará sendo a Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas. Pelas projeções, o grupo que tinha 139 deputados agora tem 135.

Os Verdes devem minguar suas atuais 71 cadeiras para 53, segundo as parciais. Já o bloco da Esquerda Unitária Europeia deve ficar com 35 assentos no parlamento –tinha 37.

Atualmente, os eurodeputados –como são chamados os deputados da União Europeia– de mais de 200 partidos nacionais estão alocados em 7 diferentes grupos do Parlamento Europeu conforme o seu respectivo pensamento político.

Para o mandato de 2024 a 2029, foram eleitos 50 que ainda não têm um grupo definido. Isso significa que os alinhados à direita podem crescer ainda mais no Parlamento.

Para os eurodeputados fazerem parte de um grupo, precisam estar alinhados politicamente, podendo haver parlamentares de nacionalidades distintas na mesma sigla defendendo as mesmas pautas. Um novo grupo também pode ser criado, desde que tenha 23 cadeiras no Parlamento de 7 nacionalidades diferentes.

ENTENDA OS GRUPOS DO PARLAMENTO EUROPEU

  • Partido Popular Europeu – mantém-se como o maior grupo do Parlamento Europeu, com uma base significativa de integrantes alemães, poloneses e romenos. Nos últimos 5 anos, colaborou estreitamente com os socialistas e o grupo liberal Renovar a Europa. Angela Merkel, ex-chanceler da Alemanha, é um dos principais nomes próximos ao grupo.
  • Aliança Progressista de Socialistas e Democratas – 2º maior grupo do Poder Legislativo da União Europeia. Com forte representação do Partido Socialista dos Trabalhadores do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, o grupo enfatiza a luta contra o desemprego e a promoção de sociedades mais equitativas.
  • Renovar a Europa – liderado pelo partido Renascença do presidente da França, Emmanuel Macron, é o 3º maior. Mas perdeu força: tinha 102 parlamentares neste mandato. O resultado é reflexo da ascensão de deputados apoiados por Marine Le Pen.
  • Grupo dos Verdes – atualmente, possui 72 assentos no Poder Legislativo do bloco europeu. Nas eleições de 2019 para o Parlamento Europeu, os parlamentares da sigla foram fortalecidos pelos protestos climáticos de 2019. Agora, perderam cadeiras.
  • Esquerda Unitária Europeia – focado em direitos trabalhistas, justiça econômica e igualdade. Enfrenta incertezas devido a uma nova divisão na esquerda alemã, liderada pela ex-co-presidente do Die Linke, Sahra Wagenknecht.
  • Conservadores e Reformistas Europeus – promete uma postura firme sobre migração e uma abertura para maior cooperação dentro da UE. Ganhou cadeiras em um resultado que demonstra a força da primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni.
  • Identidade e Democracia – crescerá no Poder Legislativo da União Europeia. Enfrenta controvérsias por conta da expulsão de deputados ligados ao partido alemão de direita acusado de neonazismo, a AfD (Alternativa para a Alemanha). Apesar das críticas, mantém sua influência em um contexto de crescente insatisfação dos eleitores com o aumento do custo de energia e de vida enfrentado pelos alemães.

COMO É FORMADO O PARLAMENTO EUROPEU

O Parlamento Europeu é renovado a cada 5 anos. Entre 5ª feira (6.jun.2024) e domingo (9.jun), os eleitores dos 27 países integrantes da União Europeia foram às urnas para votar nos seus representantes. Cerca de 373 milhões de eleitores foram mobilizados.

Neste ano, o Parlamento Europeu, com sedes em Estrasburgo (França) e Bruxelas (Bélgica), contará com 720 assentos, uma redução de 31 em relação à última eleição, refletindo a saída do Reino Unido do bloco europeu.

As eleições para o Parlamento Europeu utilizam um sistema de representação proporcional, onde cada país integrante recebe um número de assentos com base em sua população.

Esse princípio, conhecido como “proporcionalidade degressiva”, determinado no Tratado da União Europeia, significa que, embora os países menores tenham menos deputados, os deputados dos países maiores representam mais pessoas.

Cada país tem, no mínimo, 6 assentos no Parlamento Europeu. Os métodos de votação variam. Alguns países votam em partidos políticos que selecionam uma lista fixa de candidatos para a cédula eleitoral, enquanto outros adotam listas mais abertas, permitindo aos eleitores escolher um partido ou indicar seu candidato preferido.

Fonte: Poder 360