BUSCAR
BUSCAR
Futebol
Fluminense vence Boca Juniors por 2 a 1 e conquista sua primeira Libertadores
Fluminense vence Boca Juniors por 2 a 1 e conquista sua primeira Libertadores - Foto: Marcelo Gonçalves/FFC

O torcedor do Fluminense agora pode soltar o grito que desde 2008 estava entalado na garganta. É campeão!

Com gols de Germán Cano e John Kennedy, o Tricolor venceu o Boca Juniors por 2 a 1 neste sábado (4), no Maracanã, para conquistar o primeiro título de Copa Libertadores da sua história.

É uma conquista de redenção. Para os tricolores, que há 15 anos experimentaram a frustração de um vice-campeonato neste mesmo Maracanã diante da LDU. Para o goleiro Fábio, também vice-campeão da América (em 2008, com o Cruzeiro), e que aos 43 anos enfim alcançou a glória no torneio continental. E é também uma vitória emblemática para Fernando Diniz.

Os críticos do técnico gostam de destacar a falta de taças no currículo do hoje treinador da Seleção Brasileira. Depois que conquistou o Carioca pelo Fluminense, faltava, diziam, um título importante. Não falta mais.

Com a conquista, o clube carioca se iguala a Vasco, Corinthians e Atlético-MG entre os brasileiros com uma Libertadores, além de deixar o Botafogo como o único dos grandes cariocas sem esse título — o Flamengo é tricampeão.

Já o Boca Juniors, que não levanta o troféu desde 2007, soma o seu terceiro vice-campeonato consecutivo: 2012 (para o Corinthians), 2018 (para o River Plate) e 2023 (para o Fluminense). Com isso, mantém o Independiente como o maior campeão da competição, com sete conquistas.

O jogo

O time do técnico Fernando Diniz começou a decisão dentro da sua proposta de manter a posse de bola e reunir vários jogadores em um lado do campo. Na primeira metade da etapa inicial, a equipe acumulava atletas pelo lado esquerdo, com Keno espetado na ponta dando amplitude.

Já o Boca, que marcou desde o início com um bloco mais baixo, buscou aproveitar os contra-ataques.

Foi dessa forma que os argentinos tiveram suas melhores oportunidades no começo do jogo, primeiro com Merentiel, que carregou e chutou de fora da área para defesa tranquila de Fábio, depois com Cavani, que recebeu bom passe de Barco, mas decidiu não chutar e tocou mal para Merentiel.

A partir da segunda metade do primeiro tempo, o Fluminense levou a construção das jogadas para a direita, acionando mais a participação de Jhon Arias. O colombiano conseguiu um escanteio, que Nino cabeceou para fora. Na sequência, os cariocas abriram o placar.

Keno iniciou o ataque pelo lado direito e tabelou com Arias. O camisa 11 foi ao fundo, cruzou para trás e encontrou Germán Cano, que finalizou para marcar o seu 13º gol na Libertadores, aos 35 minutos.

Além de goleador da edição de 2023, o atacante argentino ultrapassou Fred como o maior artilheiro do Tricolor no torneio continental, com 16 gols.

Na etapa final, o Boca naturalmente cedeu mais espaços ao Fluminense. Com isso, a equipe de Diniz passou a apostar na velocidade de Keno e Arias, mas não conseguiu aproveitar as brechas na defesa xeneize para aumentar a vantagem.

O castigo chegou aos 26 minutos do segundo tempo. Advíncula, que já havia chegado perto de empatar o jogo, cortou da direita para o meio — jogada característica do lateral peruano — e chutou de esquerda, no canto de Fábio, que não conseguiu chegar.

No último lance da partida, Diogo Barbosa teve em seus pés a bola do jogo, mas chutou cruzado para fora. Com o empate por 1 a 1, a final foi para a prorrogação.

Aos 8 minutos do primeiro tempo extra, John Kennedy, que tinha entrado minutos antes, recebeu passe de cabeça de Keno e chutou forte da entrada da área para marcar o gol do título do Fluminense.

Na comemoração, o atacante, que estava amarelado, foi celebrar com torcedores no pé da arquibancada e recebeu o segundo amarelo, sendo expulso pelo árbitro Wilmar Roldán.

Que tricolor, no lugar de John Kennedy, não faria o mesmo?

CNN

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária, Natal/RN
(84) 4009-9898
contato@98fmnatal.com.br
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com