Gás encanado atenderá a praia de Pipa até 2020, diz nova presidente da Potigás

Fonte: Agora RN
A Potigás, companhia mista que detém o monopólio da distribuição de gás canalizado no RN, iniciará ainda este ano o projeto executivo para a instalação, em 2020, de uma rede de gasodutos a partir de Goianinha, passando por Tibau do Sul e chegando a praia de Pipa.
O plano foi antecipado nesta terça-feira, 26, pela recém-empossada diretora-presidente da Potigás, a engenheira civil Larissa Dantas Gentile, durante entrevista aos jornalistas Alex Viana e Anna Karinna Castro, no programa Jornal Agora, exibido todos os dias de 6 às 7 da manhã pela 97,1, rádio Agora FM.
Com uma carteira de 23 mil clientes em quatro áreas de atuação – comercial, residencial, industrial e veicular – a Potigás está entre as empresas que o governo Fátima não considera privatizar, até pela sua condição de empresa mista. De sua composição acionária, 49% pertence à Gaspetro, holding da Petrobras.
Larrissa Dantas Gentile, que foi vice presidente do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon-RN) na gestão do engenheiro Arnaldo Gaspar Jr, disse ainda que para levar infraestrutura para o RN, nos próximos cinco anos, a Potigás pretende investir quase R$ 47 milhões com recursos próprios.
Ela lembrou que o gás canalizado tem uma grande campo de expansão por ser mais barato e mais seguro, já que sua composição, mais leve do que o ar – dissipando-se rapidamente no caso de vazamento – ainda dispensa ser guardado em botijões.
Já para este ano, a companhia pretende investir R$ 12 milhões na construção de  20 quilômetros de gasodutos previstos para atender os bairro Alto de São Manoel, em Mossoró, e o centro de Parnamirim.
O investimento também inclui o reforço da segurança física e operacional da rede na Estação de Regulagem de Pressão (ERP) de Igapó e a modernização do sistema de automação e odoração do gás natural.
A injeção de odorante no gás é um processo presente na distribuição do gás natural tendo como objetivo a detecção de pequenas concentrações de gás pela maior parte da população, servindo de alerta para possíveis riscos de vazamentos.