Loja onde Ana Bruna foi morta, em Parnamirim, segue fechada 5 dias após o crime

Loja de variedades ainda não reabriu após o crime - Foto: Reprodução

A loja de variedades onde a vendedora Ana Bruna Rodrigues, de 22 anos, foi executada segue fechada para atendimentos, cinco dias após o crime. A loja, localizada na Avenida Senador João Câmara, no centro de Parnamirim, na Grande Natal, está com as portas fechadas desde sexta-feira (29), quando a vendedora foi assassinada com tiros na cabeça enquanto trabalhava.

O perfil da loja nas redes sociais publicou duas mensagens desde que o crime aconteceu. A primeira foi postada no mesmo dia do assassinato. Na mensagem, o perfil informa que a loja não abriria no dia seguinte – sábado (30) – em razão da morte da vendedora. O post diz que a loja seria aberta na segunda-feira (2).

Na segunda-feira, porém, uma nova mensagem foi publicada no Instagram informando que o local continuaria fechado. “Senhores clientes, gostaríamos de comunicar que, diante do trágico fato ocorrido, não reabriremos conforme o comunicado anterior”, diz o texto. Desta vez, a loja não anunciou a data da reabertura.

Investigação

Um ex-namorado da vendedora se apresentou à polícia na segunda-feira (2) e se colocou à disposição das autoridades para colaborar com as investigações sobre o assassinato.

O homem foi à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e pediu para ser submetido a um exame residuográfico, que procura vestígios de pólvora nas mãos. A polícia atendeu ao pedido e conduziu o rapaz até o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), onde o exame foi realizado. O resultado ainda não é conhecido.

A polícia não dá informações sobre o caso e determinou sigilo sobre toda a investigação. Mas a reportagem descobriu que os investigadores trabalham com mais de uma linha de apuração. Não há confirmação se o ex-namorado é suspeito de participação no crime.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, a Polícia Civil disse apenas que deu início às investigações e que começou a ouvir depoimentos. Identidades de suspeitos não foram divulgadas nem se impressões digitais foram coletadas no local do crime.

Relembre

Ana Bruna Rodrigues foi morta a tiros por volta das 15h de sexta-feira. Um homem não identificado entrou na loja como se fosse um cliente, perguntou pela jovem e, ao encontrá-la, pratica o homicídio. Toda a ocorrência foi registrada por uma câmera de segurança.

O bandido usava boné e uma balaclava, para esconder o rosto. Nas imagens, ele chega à loja, procura a vítima, saca uma arma e efetua os disparos em seguida. Antes de morrer, a jovem se curva, como se já soubesse que fosse ser morta.

A jovem foi morta com cinco ou seis disparos à queima roupa. A PM chegou rapidamente, mas o criminoso também fugiu rápido.

O corpo de Ana Bruna Rodrigues foi sepultado no último domingo (1º) na região Oeste Potiguar.