‘Não estou brigado com Lula e nem perdi a relação com ele’, diz Jean Paul Prates

Ex-presidente da Petrobras Jean Paul Prates. Foto: Agência Brasil

O ex-presidente da Petrobras Jean Paul Prates disse nesta quinta-feira (23) que não “está brigado” com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e descartou se desfiliar do PT. Uma semana depois de sair do cargo, Prates, que foi senador por quatro anos, foi ao Congresso visitar os senadores Davi Alcolumbre (União-AP) e Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB).

“Não tem motivo para eu sair (do PT). Não estou brigado com o presidente Lula e nem terminei a relação com ele. A gente tem uma relação muito boa e vai voltar a ter melhor ainda”, declarou.

Prates declarou, no entanto, que ainda não teve uma conversa com Lula após a reunião que teve com ele na terça-feira da semana passada, quando foi informado da demissão.

O ex-senador não respondeu perguntas sobre a nova gestão da Petrobras, que será comandada por Magda Chambriard, e disse que vai adotar um período de silêncio sobre o assunto em um primeiro momento.

Desafeto de Prates, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse em entrevista ao GLOBO que espera que Chambriard tenha “coragem para fazer acontecer” na estatal.

Questionado se conversou com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e outros membros do governo após a saída do comando da empresa, Prates declarou que trocou algumas mensagens.

“Tenho falado com eles, mas não pessoalmente. Estou visitando algumas pessoas porque estou passando rápido (em Brasília) e vou para o Rio. Vim fazer um tratamento de dente e estou aproveitando para vir falar com algumas pessoas”, disse.

O ex-presidente da Petrobras evitou comentar os assuntos das conversas com Alcolumbre e Veneziano e se vai levar alguma demanda específica.

Prates saiu do comando da Petrobras após uma disputa de influência com os ministros de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e da Casa Civil, Rui Costa. Logo após ter confirmada a sua demissão, o ex-senador enviou uma mensagem para alguns amigos em que disse que teve sua passagem na empresa “precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa”.

Fonte: O Globo