Parados desde 14 de março, servidores técnicos da UFRN decidem permanecer em greve

Assembleia geral do Sintest-RN no auditório da reitoria da UFRN nesta quarta-feira (29) - Foto: Sintest-RN / Reprodução
Assembleia geral do Sintest-RN no auditório da reitoria da UFRN nesta quarta-feira (29) - Foto: Sintest-RN / Reprodução

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) decidiram nesta quarta-feira (29) permanecer em greve. A paralisação da categoria foi iniciada em 14 de março, para cobrar reajuste salarial, entre outras pautas.

A decisão de continuar com a paralisação aconteceu no auditório da reitoria da UFRN durante assembleia geral do Sindicato dos Estadual dos Trabalhadores em Educação no Ensino Superior (Sintest-RN).

Durante a assembleia, os servidores também decidiram aceitar os termos de uma contraproposta apresentada pela federação que representa a categoria (Fasubra Sindical). Ela será entregue ao Governo Federal.

Com isso, os técnicos da UFRN concordaram em parar a greve caso o governo conceda 4% (inflação prevista) de reajuste salarial em 2024, 9% em 2025 e 9% em 2026. O governo, por sua vez, propõe 9% em 2025 e 5% em 2026, mas nada em 2024, o que desagrada a categoria.