PF vai colher depoimentos sobre nova joia que teria sido negociada por Bolsonaro nos EUA

Bolsonaro recebendo escutura de palmeira folheada a ouro durante visita ao Bahrein, em 2021 - Foto: Reprodução
Bolsonaro recebendo escutura de palmeira folheada a ouro durante visita ao Bahrein, em 2021 - Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF) descobriu a existência de uma nova joia cravejada de pedras preciosas que teria sido negociada, nos Estados Unidos, por emissários do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O caso foi revelado nesta segunda-feira (10) pela CNN Brasil.

Essa nova peça só foi descoberta há poucas semanas, após diligências dos investigadores no exterior. Um dos depoentes ligados a uma joalheria em solo americano descreveu o potencial valioso do objeto, cujas gemas poderiam ser extraídas da peça para comercialização.

Esse depoente, no entanto, informou que o negócio acabou não sendo concluído.

A suspeita é de que a joia também tenha sido presente de um país do Oriente Médio ao então presidente. Agora, os investigadores querem saber o paradeiro do adorno.

Apurações preliminares indicam que essa joia estava acomodada no mesmo estojo da escultura de palmeira, folheada a ouro, entregue para Bolsonaro em um encontro entre empresários brasileiros e árabes no Bahrein.

O depoimento prestado ainda carece de comprovações. Por isso, colaboradores da Justiça, como o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, devem ser ouvidos nos próximos dias para que sejam colhidos mais detalhes sobre a existência, a origem e também sobre o destino do objeto.

A peça não teria sido alvo da “operação resgate”, em que aliados do ex-presidente teriam recomprado itens vendidos no exterior após o Tribunal de Contas da União (TCU) determinar a devolução dos presentes.

A defesa de Bolsonaro ainda não se pronunciou.