Políticos do PT fazem homenagem para o MST na porta da Assembleia após serem impedidos de usar plenário

Solenidade em homenagem ao MST nesta quarta-feira (5) na Praça Sete de Setembro, na porta da Assembleia Legislativa - Foto: Luana Tayse / Ass. Ver. Brisa / Reprodução
Solenidade em homenagem ao MST nesta quarta-feira (5) na Praça Sete de Setembro, na porta da Assembleia Legislativa - Foto: Luana Tayse / Ass. Ver. Brisa / Reprodução

Políticos do PT promoveram nesta quarta-feira (5), na porta da Assembleia Legislativa, uma homenagem aos 40 anos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O encontro aconteceu do lado de fora da Assembleia, porque deputados da oposição não autorizaram que a sessão solene acontece dentro da Casa.

Durante a solenidade, 10 militantes do MST no Rio Grande do Norte foram homenageados.

A iniciativa foi da deputada estadual Isolda Dantas, com apoio do restante da bancada do PT na Assembleia Legislativa (deputados Divaneide Basílio e Francisco do PT), na Câmara dos Deputados (Fernando Mineiro e Natália Bonavides) e na Câmara Municipal de Natal (Brisa Bracchi e Daniel Valença).

“Reforma agrária popular é aquela em que, além de buscar redistribuir a terra em todo o país, assume a missão de produzir alimento saudável para o povo brasileiro; conservar os bens comuns dos povos; criar territórios de enfrentamento à toda forma de violência e com novas relações sociais, fundamentadas nos valores humanistas”, destaca a deputada Isolda Dantas.

A parlamentar ressaltou que o MST reivindica terra para morar e produzir alimentos. “A luta é coletiva porque, como destaca o Movimento, as conquistas também são coletivas”, diz Isolda.

“Para isso, é preciso um Plano Nacional de Reforma Agrária, pois a problemática da concentração de terra na mão de poucos é uma marca de formação da sociedade brasileira. Atualmente, 80 mil famílias estão à espera de assentamento, segundo dados do Governo Federal”, alerta a deputada.

Solenidade em homenagem ao MST nesta quarta-feira (5) na Praça Sete de Setembro, na porta da Assembleia Legislativa – Foto: Luana Tayse / Ass. Ver. Brisa / Reprodução

Produção do MST

O MST no RN fornece produtos para 55 escolas do Estado e conta com cerca de 12 assentamentos e 8 acampamentos que produzem, anualmente, 100 a 150 toneladas de mandioca, 100 a 120 toneladas de batata-doce, de 80 a 100 toneladas de macaxeira, de 150 a 200 toneladas de banana, de 70 a 90 toneladas de abacaxi, de 50 a 60 toneladas de grãos como feijão-verde e 90 a 100 toneladas de milho, além de 20 toneladas de frutas como caju e, em menor quantidade, acerola e goiaba.

Apenas em 2022, o MST produziu 25 toneladas de arroz orgânico do tipo vermelho (da terra), na região do Vale do Apodi.