[VÍDEO] Servidores técnicos da UFRN veem proposta do Governo Lula como “desrespeitosa” e mantêm greve

Servidores técnicos da UFRN durante assembleia do Sintest nesta quarta-feira (22) - Foto: Sintest RN / Reprodução
Servidores técnicos da UFRN durante assembleia do Sintest nesta quarta-feira (22) - Foto: Sintest RN / Reprodução

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) decidiram nesta quarta-feira (22) rejeitar a proposta do governo e continuar a greve. A paralisação da categoria foi iniciada em 14 de março, para cobrar reajuste salarial.

A decisão aconteceu durante assembleia geral do Sindicato dos Estadual dos Trabalhadores em Educação no Ensino Superior (Sintest-RN). Mais de 500 servidores participaram do encontro.

Os técnicos classificam a última proposta do governo como “desrespeitosa” e cobram percentuais mais elevados de reajuste salarial. Eles afirmam que a gestão do presidente Lula está oferecendo “migalhas” para os funcionários públicos.

Na última reunião de negociação com os técnicos-administrativos das instituições federais de ensino, o governo não propôs nenhum percentual de correção neste ano, mas ofertou reajustes para os dois anos seguintes.

Servidores técnico-administrativos da UFRN em assembleia nesta quarta-feira (22) – Foto: Sintest / Reprodução

Proposta do governo e o que querem servidores

Em relação à primeira proposta, apresentada em 19 de abril, foi mantida a oferta de 9% em 2025 e houve um incremento para 2026, que subiu de 3,5% para 5%.

Servidores reclamam da falta de reajuste em 2024 e dizem que a proposta não distingue as categorias, além de manter as mais baixas muito defasadas e discrepantes. A reivindicação dos técnicos administrativos é de 37% de reajuste em três anos.