Sindicato de policiais penais diz que transferência de Ronnie Lessa para Tremembé gera risco ao sistema prisional

Ronnie Lessa, réu confesso pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes - Foto: Reprodução
Ronnie Lessa, réu confesso pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes - Foto: Reprodução

O sindicato que representa os policiais penais que atuam nos presídios do estado de São Paulo se manifestou contra a transferência de Ronnie Lessa para o complexo prisional de Tremembé. Para a categoria, a transferência de Lessa pode gerar risco ao sistema prisional e ao próprio detento.

Preso desde 2019 por matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, o ex-policial militar deve ser transferido para Tremembé após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Em nota, o Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp) afirmou que vê a decisão do STF com preocupação, já que o Complexo Penitenciário de Tremembé “apresenta particularidades que tornam a transferência de Ronnie Lessa inadequada e potencialmente perigosa”.

Lessa deve ser transferido para Penitenciária 1 “Dr. Tarcizo Leonce Pinheiro Cintra”, um presídio de segurança máxima, ao invés de ir para a Penitenciária 2, que é conhecida como “presídio dos famosos” e atualmente abriga, por exemplo, o ex-jogador Robinho.

De acordo com o Sifuspesp, a P1 é conhecida por ser dominada por uma facção criminosa, que historicamente é inimiga de milicianos. Para o sindicato, “a presença de Lessa nesta unidade, mesmo que em ala de segurança, colocaria sua vida em risco e poderia gerar instabilidade na segurança da prisão”.

Já a P2, que é conhecida como o “presídio dos famosos”, como o ex-jogador de futebol Robinho, é “mais tranquila”, mas não recebe presos ligados ao crime organizado, sejam de facções ou de grupos milicianos, “o que também torna essa unidade inadequada para Lessa”, segundo o sindicato.

Presídio mais indicado

“No entendimento do Sifuspesp, diante da determinação da transferência para SP, a melhor opção para garantir a segurança de Lessa e a estabilidade do sistema prisional seria sua transferência para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) em Presidente Bernardes”, escreveu o sindicato em nota.

O presídio da cidade, que também fica no interior do São Paulo, tem o regime rígido e é destinado a presos que oferecem alto risco à sociedade e à segurança interna das unidades prisionais.

Por fim, o Sifuspesp se pronunciou afirmando que a Lei de Execuções Penais prevê que a pena deve ser cumprida em local próximo à família do detento. Ronnie Lessa e sua família são do Rio de Janeiro.