[VÍDEO] Carlos Eduardo reclama de falta de ajuda do Governo Lula e desiste de ação contra Rogério Marinho

Adversários para o Senado Carlos Eduardo Alves (PDT) e Rogério Marinho (PL) - Foto: Reprodução

O ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PSD) disse ao jornalista Túlio Lemos, da 98 FM, que vai seguir a recomendação de seu advogado Erick Pereira e não vai adiante com a ação na Justiça Eleitoral que poderia resultar na cassação do senador Rogério Marinho (PL), eleito em 2022 no Rio Grande do Norte.

Após a derrota no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RN) na semana passada, que absolveu Rogério Marinho pelo placar de 6 a 0, Carlos Eduardo afirmou que vai se concentrar na disputa municipal de 2024 e não vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele é pré-candidato a um 5º mandato na Prefeitura do Natal.

Na conversa com o jornalista Túlio Lemos, que aconteceu durante uma festa de aniversário neste domingo (19) em Natal, Carlos Eduardo reclamou da falta de ajuda do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na ação contra Rogério Marinho.

Isso porque, na ação, o ex-prefeito pediu que o Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional reunisse informações sobre envio de recursos para o RN durante a gestão de Rogério Marinho enquanto ministro, no governo Jair Bolsonaro. A pasta, porém, não teria contribuído com os dados.

Veja o relato de Túlio Lemos no programa 12 em Ponto 98 desta segunda-feira (20):

O ex-prefeito queria comprovar, com essas informações, que o senador teria usado “critério eleitoreiro” na destinação de verbas para o RN quando era ministro. A tese de Carlos Eduardo era de que Rogério Marinho priorizou municípios administrados por aliados no encaminhamento de recursos. Isso teria influenciado a eleição, resultando no apoio maciço de prefeitos à candidatura do senador eleito.

A ação de Carlos Eduardo foi proposta em agosto de 2022, antes mesmo da eleição. Naquela eleição, Carlos Eduardo foi candidato ao Senado pelo PDT e terminou em 2º lugar, derrotado por Rogério Marinho.

Na semana passada, após a derrota no TRE-RN, o advogado Erick Pereira defendeu a desistência da ação.

“Minha opinião é que não se deve recorrer. A eleição passou e ganhou quem teve mais votos. Agora, as atenções devem ser as eleições municipais. Mas, esta decisão cabe ao autor da ação (Carlos Eduardo)”, disse Erick Pereira à 98 FM.