[VÍDEO] Lula indica que vai vetar fim de isenção em sites internacionais: ‘Como proibir pobres de comprar bugiganga?’

Presidente Lula (PT) diz que tendência é vetar fim de isenção para compras internacionais - Foto: UOL / Reprodução
Presidente Lula (PT) diz que tendência é vetar fim de isenção para compras internacionais - Foto: UOL / Reprodução

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira (23) que a tendência é vetar o projeto que pode impor a volta do Imposto de Importação para compras de até US$ 50 por pessoas físicas, o que inclui a taxação de sites estrangeiros como os asiáticos Shein e Shopee, caso seja aprovado pelo Congresso Nacional.

“Eu só me pronuncio nos autos do processo (risos). A tendência é vetar, mas a tendência também pode ser negociar”, afirmou no Palácio do Planalto.

O texto ia ser votado nesta quarta-feira pelos deputados, mas foi adiado após um pedido do governo. O pedido era para que o assunto não fosse votado dentro de um projeto de lei que institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover).

Questionado se aceitaria uma taxação menor, Lula afirmou que há diversas visões sobre o tema, mas que não pode impedir que “pessoas pobres, meninas e moças” comprem “bugigangas”.

“Eu não sei, cada um tem uma visão a respeito do assunto. Veja, quem é que compra essas coisas? São mulheres, jovens, e tem muita bugiganga. Nem sei se essas bugigangas competem com as coisas brasileiras, nem sei. Como você vai proibir as pessoas pobres, meninas e moças que querem comprar uma bugiganga, um negócio de cabelo, sabe?”, afirmou o presidente.

Lula ainda afirmou que está disposto a conversar e encontrar uma saída que não prejudique parte dos envolvidos no tema em benefício de outros.

“Quando discuti, eu falei com Alckmin: tua mulher compra, minha mulher compra, sua filha compra, todo mundo compra, a filha do Lira compra, todo mundo compra. Então precisamos tentar ver um jeito de não tentar ajudar um prejudicando outro, mas tentar fazer uma coisa uniforme. Estamos dispostos a conversar e a encontrar uma saída”, enfatizou.